Arquivo mensal: fevereiro 2016

“A ESCOLA NA DEMOCRACIA”. Entrevista a Pedro García Olivo, para o jornal anarquista “El Amanecer”

O anarquista que trabalha para o Estado, dando classes por exemplo, encarna a máxima contradiçom concebível, o cinismo mais vergonzante: nom se engana em absoluto, nom é vítima dumha ilusom, dumha mentira interior (…), pois o sabe tudo, sabe para quem se vende, a câmbio de que se lhe paga, a ignomínia da sua ocupaçom e da sua vida, e segue com tudo adiante…

idea 1 Navigando, navigando, arrivei por azarosos ventos (e porque tinha que chegare) a esta intensa entrevista sobre a escola em democrácia a meu bo amigo Pedro, cabreiro incipiente (ou já nom tanto), mestre da vida e pedagogo transgresor; de-la recolho (e traduzo) a sua resposta a primeira pergunta que versa sobre Universidade e Anarquismo, se bem convido a sua leitura á íntegra (em castelám) nesta ligaçom ao seu blog “Los Discursos Peligrosos”

Sendo a Universidade um campo de concentraçom, onde circulam tanto amos como escravos (académicos e estudantes), estes últimos ainda insistem en recorrer a ela como umha saida ou bem como um ponto de encontro: talheres, foros, encontros, atividades, etc.
Vostede tamém foi partícipe de-la, seja desde o espaço académico de formaçom e mais tarde como um ouvinte (…).
Cabe perguntar-se o seguinte: ¿É válido fazer desde ali um dano ao aparelho educativo e como ve vostede esta enorme contradiçom de seguir recorrendo ou buscando ne-la umha espécie de mobilidade social ou se, prefíre-o, umha espécie de conciezaçom de massas?
Continuar lendo

E o mar subiu até Compostela

2 Há quem di que a capital galega tem mar, que o que se passa é que as augas em troques de vir aderidas á superfície terrestre venhem de arriba a baixo e por rachas; mesmo ás vezes venhem paralelas ao cham quanto o vento as arrastra com fúria. Mesmo há quem di que nos dias de muita chuva e vento tem visto velas latinas e redondas envergadas polas ruas de Compostela; mas eu acho que o que virom som paraugas que, com peculiar mestria e perícia, manejam as gentes nativas e mais aquelas que levam bem de anos residindo entre suas vetustas pedras.
Continuar lendo

Reflexom ante a Manifa de amanhã: NOM A PRIVATIZAÇOM DO MAR !!!

403_1_2 Já colei antontem umha entrada ao respeito, mas nunca está de mais dar novos argumentos para animar á gente a sumar-se a este protesto e assim recolho dumha rede social este texto (que reverto á minha grafia reintegrata) que parte de individualidades agrupadas como “Negrasombra em defensa do território” que se declaram ao margem de plataformas, seitores, e muito menos de oportunistas políticos á “pesca” de votos:

Em luita polo mar e pola terra, cada vez mais privatizadas e aniquiladas em prol de intereses económicos, queremos unirnos á gente que assim o sinte, que defende á natureza que nos dá de comer, que nos dá de viver, luitar com essa gente que a respeita e que intenta viver em equilibrio com ela.
Continuar lendo

Que é feminismo, pergúntas-me, Rita? Feminismo nom es ti

autodefensa Convencido da sua “baixada de bragas” para manter-se na poltrona, andava eu estes dias a dar-lhe voltas sobre se escrever algo da pantomima da Rita Maestre no juízo por se manifestar contra da celebraçom de atos religiosos numha universidade pública que, por definiçom, é aconfessional, o que deveria estar proibido; pero mira por donde fum dar com o blog “Akerritas” que se autodefine como “médio de expresom do Grupo Akerra. Nosso leit motiv é o feminismo bruto. Mentes débeis, abster-se” e esta sua entrada que encaixa perfeitamente nos meus parámetros e que traducim e colo:

O juízo á vicealcaidessa do Concelho de Madrid por Podemos, Rita Maestre foi um exemplo mais da polarizaçom da opiniom gerida polos meios de comunicaçom de massas. Tanto defensores como detractores mantiveram e mantenhem opinions que nom deixam de ser pura reductio ad absurdum. Em definitiva, nom se trata de falar do que fala, como dizia Agustín García Calvo, senom de encher minutos de falsos informativos ou páginas de falsos jornais.
Continuar lendo

Os macabros contos dos irmãos Grimm

A “conto” das múltiples barbaridades escutadas polas opinólogas de qualquer caste com o galho de buscar argumentos para justificar a detençom de dois titeriteiros, quero colar esta entrada que atopei no blogue “ovejas eléctricas” e que adico a toda essa gente que se escandalizou pola temática da obra “Dom Cristobal e a Bruxa” por considera-la nada apropriada para crianças; quanto menos que saibam de onde venhem as histórias acarameladas dos contos mais famosos, agora em possessom da factoria Disney que lhes deu um seu toque misógino, racista e conservador e umha farsa e insulto cara a inteligência humana e os Direitos Humanos, tal como o desmontam na web Lennon

776px-franz_juttner_schneewittchen_6 Os irmãos Grimm, Jakob e Wilhelm, figéram-se soados polos seus contos infantis como Brancaneves, A Cincenta, Hänsel e Gretel, Rapunzel, A Bela dormente ou Joam sem medo. Com tudo, nom forom os autores destas histórias senom que se limitarom a recompilar contos da tradiçom oral alemá, destinados ás pessoas adultas mais que ás crianças pola sua violência e contido sexual.
Continuar lendo

Oceanos: mais plástico que peixes em 2050

Caso que se precisem mais evidências sobre a extraordinária capacidade do ser humano em destruir o planeta, considerade isto: se continuarmos na mesma toada, em 2050 os oceanos conterám mais plástico do que peixes.

tartarugaMarta, umha das minhas sobrinhas, nascida e residente em Tenerife, a ilha de maior tamanho do arquipélago das Canárias, é umha apaixonada da fauna marinha, entroutras suas qualidades. Veterinánia de profissom e devoçom, no vrão passado estivera em práticas de coidadora e recuperadora de tartarugas marinhas e déra-nos, á família que nos reuniramos lá por mor dumha boda, umhas moi sábias leçons de como os plásticos, que tanto usamos e dos que tam alegremente nos desfazemos, ocasionam grandes males nos organismos destes e doutros animais marinhos como os cetáceos (baleas, golfinhos, calderons,…) .

A ingestom acidental de plásticos provoca a morte de miles de tortugas e mamíferos marinhos cada ano porque estes animais os digierem ao confudi-los com medusas (um dos alimentos favoritos das tartarugas) ou bem causam-lhes outros problemas porque, como a tartaruga da foto, enredám-se com eles.
Continuar lendo

Progama rádio “A Pirataria na historia e a realidade de Somalia”

chappate-piratas Colo acá um dos programas que baixo o pseudónimo de Comochoconto figera na rádio Kalimera lá polo mês de fevereiro do ano 2010 quando a temática da pirataria em Somália estava de moda nos falsimédios.

Aproveito para anúnciar que, em breves, este menda voltará a fazer rádio na Kalimera, mantede-vos atentas ao dial 107.9 da fm.


Se queres podes descarga-lo clicando acá

Textos próprios e outros extraidos de:
Continuar lendo