A superstiçom do voto x Esteban Vidal

13494961_300120063663413_2037235404683983602_n A raiz da publicaçom do meu post antérior recebim várias críticas ao feito de que me alegrara do retorno á abstençom de mais de 1 milhom de ex-votantes podemitas. As pessoas que me figeram chegar essas críticas recorrem ao manido e, tergiversando minhas palavras, botam-me em cara que me alegre do trunfo do PP, que elas consideram consequência inevitável e trágica do passotismo das que promovemos a abstençom. Curiosamente chegarom-me essas criticas de gente que eu considero atrapada pola ilusom podemita e que, até agora, nom tinha ataduras partidárias algumha e nunca nos culpara ás abstencionistas de favorecer ao PP, ve-se que estavam iludidas com as pretensiosas venturas anunciadas polos quadros de mando podemitas e polos sondeios mediáticos que davam por seguro o “sorpasso” e levaram tal “hostiaço” que ainda estám aleladas á busca das razons do mesmo. Para elas vai adicado este artigo autoria de Esteban Vidal que recolho e traduzo do Portal Libertário Oaca:

No ser humano aninha um forte desejo de confiar nos demais. Possível que isso déva-se a aquela faceta que fai del um ser social e que como tal tende a viver em comunidade. Isto viria desmentir as teses do darwinismo social dado que o indivíduo solitário é vulnerável ao fazer da desconfiança cara a todos os demais a pedra angular do seu modo de viver. A confiança entre iguais é o fundamento da cooperaçom e a ajuda mútua, pero sobre tudo da convivência que permite a existência daqueles laços sociais que conformam umha comunidade cohesionada. Devandito isto cabe concluir que a confiança é algo possitivo a condiçom de que se deposite em quem sejam dignas de merece-la.

O poder alimentou as tendências individualistas mais destrutivas mediante um semnúmero de procedementos que minarom a confiança entre os membros da sociedade. O poder aumentou a sua capacidade para controlar e manipular á sociedade o que tivo como principal conseqüência o desmantelamento de qualquer forma de vida de tipo horizontal, e com isso daquelas redes de solidariedade e apoio mútuo entre iguais que existirom no seu seio. Hoje vemos como o Estado o fai praticamente tudo, o que gerou umha situaçom de dependência cara a esta instituiçom que fijo que o indivíduo se relacione unicamente co poder. Isto serviu para inocular no indivíduo a sua confiança no poder, a espera-lo tudo deste.

O fundamento do mando, e por extensom tamém de toda forma de autoridade, é a obediência. O poder nom existe se nom há quem obedeza. Do anterior deríva-se que o poder, para subsistir, require de certa colaboraçom dos seus sometidos. Todo sistema de dominaçom necessita o consentimento da poboaçom. Por esta razom atopámo-nos com que na atualidade, nos régimes parlamentários, o poder busca dotarse de certa legitimidade que o faga aceptável. Isto é o que explica que existam eleiçons periódicas que servem para legitimar o sistema de dominaçom que representa o Estado. Deste jeito, a través da colaboraçom que a poboaçom presta coa sua participaçom nas eleiçons, o Estado é legitimado. Com todo isto cría-se a ilusom de que a sociedade elige seus governantes quando na prática só legitima o sistema de dominaçom que constitúe o Estado debido a que o poder nom reside, como adoita pensar-se, no governo, senom nos altos funcionários dos ministérios, os generais dos exércitos, os mandos policiais, os jefes dos serviços secretos, os juízes, os diretores de prisons, etc. Na prática o governo unicamente é um apéndice do poder ejecutivo do que é dependente em tudo o essencial.

Em época de eleiçons a classe política pom-se de rebaixas, fai todo tipo de ofertas com innumeráveis promesas. Assim é como os políticos tentam seducir á poboaçom com toda classe de frases engaiolantes. Com tudo isso a classe política apresénta-se como a única capaz de remediar os males da sociedade. Som innumeráveis os enganos perpetrados polos políticos, pero nom menos certo é que nom há enganador sem que, á sua vez, alguém se deixe enganar. A experiência histórica demóstra-nos com perfeita e meridiana claridade a falsidade dos políticos que sempre dim umha coisa pero fam a contrária. A razom é bem singela: eles tenhem seus próprios intereses que nom som os da sociedade, e doutra banda nom som quem detentam o poder senom que em todo som dependentes daqueles que si dirigem as estruturas de poder que governam a sociedade.

13533130_646827732136019_3634413947737282498_n A pesar de todo o exposto umha grande parte da sociedade ve-se impulsada por umha irracional crença de que co seu voto pode decidir algo, e que uns políticos nom som tam malos como outros. Como dizimos, á luz da experiência isto nom deixa de ser umha atitude irracional na que se opta por confiar num grupo escindido da sociedade como som os políticos. É umha atitude colaboracionista que denota umha mentalidade servil e sobre tudo supersticiosa. Do mesmo jeito que moitos crentes tenhem seus próprios santos aos que periodicamente vam ponher-lhes algumha vela para conseguir o seu favor, o votante é outro supersticioso que tamém tem seus próprios santos representados por alguns políticos aos que cada certo tempo, no canto de ponher-lhes umha vela, lhes ofrenda co seu voto para ver se assim obram algum milagre. Esta é a superstiçom do voto.

Vemos como desde o próprio poder aliménta-se e reproduce o desejo de confiar que existe no ser humano para fazer-lhe colaborador e copartícipe dum sistema de poder que lhe oprime e explota. Assim é como o indivíduo deposita a sua confiança no poder ou nalgum dos seus representantes políticos para legitima-lo, o que ao mesmo tempo serve para legitimar e confirmar as relaçons de dominaçom que fam del um oprimido. Todo isto responde em gram medida ao imenso poder alcançado polo Estado que controla a prática totalidade das esferas da vida humana, o que conduciu a que a açom popular fosse substituida pola açom estatal que todo lho gire e brinda. Com isso impúxo-se igualmente a açom parlamentária que habituou á sociedade para espera-lo todo do poder de tal modo que a afai á sua permanente escravitude.

O Estado é o gram cárcere na que a classe dominante controla as necessidades da poboaçom e obríga-lhe a atuar conforme aos seus intereses. As eleiçons simplemente servem para eleger aos carcereiros, representados polos políticos, que se encargam de gerir o cárcere e impedir que se produza nenhuma desorde que poida pôr em perigo a sua existência. As eleiçons som um instrumento de colaboraçom entre classes sociais que permite a permanência e reproduçom do conjunto do sistema e das suas relaçons de dominaçom. Tudo isto demonstra que o poder nom é benévolo, senom em essência egoista na medida em que persegue os seus próprios intereses mentres que a sociedade unicamente é um instrumento para a sua consecuçom.

Ainda que a sociedade em muitas ocasions colabora de maneira involuntária co poder os processos eleitorais, em troque, baséam-se na voluntariedade. Por este motivo a abstençom ativa é umha das poucas formas que ainda existem para nom colaborar co sistema, e com isso nom amossar conformidade algumha coas relaçons de exploraçom que o articulam. Pero isto nom é suficiente se a isso nom lhe acompanha a autoorganizaçom popular, assim como a difusom daquelas ideias e valores dirigidos a aumentar a consciência no seio da sociedade para romper a colaboraçom entre classes, e com isso desencadear um processo revolucionário que permita a criaçom dumha sociedade sem classes. Indubidavelmente isto leva que a confiança da poboaçom deixe de depositar-se nos ídolos mediáticos que o poder cria para pastorea-la e mante-la no curro do seu sistema de dominaçom. Nenhuma autoridade é merecedora da confiança do povo, pola contra esta há que cultiva-la entre o grupo de iguais se quere ponher-se fim á superstiçom do voto e todo o que ela leva.

Esteban Vidal

* * *

Presi do CurralE como remate este poema (em castelám) do poeta mexicano Guillermo Aguirre y Fierro publicado en 1926:

El león falleció, ¡triste desgracia!
y fueron, por vivir en democracia,
a nombrar nuevo rey los animales.

Aunque a algunos les parezca tonto,
las ovejas votaron por el lobo;
como son unos buenos corazones,
por el gato votaron los ratones,
y a pesar de su fama de ladinas
por la zorra votaron las gallinas

La paloma, inocente, votó por la serpiente;
las moscas, nada hurañas,
decidieron que reinaran las arañas.
No tuvo el topo duda, como tampoco queja,
mientras votaba por la comadreja;
los peces, que sucumben por la boca,
entusiastas votaron por la foca.

Por no poder encaminarse al trote
un pobre asno quejumbroso y triste
se arrastró a dejar su voto por el buitre;
el caballo y el perro, no os asombre,
como siempre, votaron por el hombre.

Amigo lector ¿qué inconsecuencias notas?
Dime ¿no haces tú lo mismo cuando votas?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s