Mais da mitade das galegas (com direito a voto) fica sem representaçom algumha no parlamentinho

democracia-representativa Ontem foi realizado o reconto das votantes do CERA (Censo de residentes ausentes) e tudo foi como apontava na minha anterior entrada neste blogue na que figera valoraçons dos resultados eleitorais e da vitória contundente da abstençom; e tal como predisse houvo umha participaçom ridícula do 2’42%, tudo em perfeita sintonia com o pouco que interesa o governinho galego ás galegas espalhadas polo mundo e que apenas tenhem contato físico com sua terra (muitas delas estám nesse censo sem ter pisado nunca terra galega polo simples feito de ser descendentes direitos de emigrantes galegas e ser possuidoras de dupla nacionalidade; se bem tenhem o mesmo direito a voto e a estar representadas no parlamentinho que as que residemos acá e padecemos dia a dia os desmáns do sucessivos governinhos).

Sumados os dados á participaçom no dia da votaçom (e a falha de que se publiquem os dados definitivos que o corraborem), temos que a abstençom acadou o benefício dum total de 1.253.194 pessoas o que vem a ser o 46’38% do censo total, e em quanto aos dados finais, estes som os resultados totais:

dibujo Assim pois a anunciada fenda entre abstencionistas e votantes do PP afundou (agora som 571.251 abstencionistas mais que as votantes do PPdeG, quando antes do CERA a abstençom obtivera só 141.026 apoios mais) até chegar a extremos nos que nom interesa entrar a profundizar na sua valoraçom nem a vividoras da política de poltrona nem aos seus vozeiros dos falsimedios, que hoje só falam do aumento da diferência entre o resto das forças com representaçom e o PP (32.950 votos favoraveis ao PP, o que supom mais do 50% dos votos com direito a representaçom) e de que este partido mantivo o único escano que estava em disputa e pendente dos resultados dos votos do CERA (em Ourense).

Em troques a verdadeira notícia fica em botar umha olhada ao número de votantes que vam estar representadas no parlamentinho durante os vindouros 4 anos e as que nom imos ter nada a ver com o que nesse foro se aprove ou rejeite dado que as possuidoras dos cus que sentam nas suas bancadas nom nos representam pois nom lhe dimos nenhuma confiança no nosso nome; ou seja das que nos sentiremos alheias as suas artimanhas e falácias:

ditadura-veste-democracia E assim obtemos que só um 49’22% das galegas com direito a voto estám representadas nessas cadeiras (resultado obtido restando ás votantes totais os votos ás candidaturas que nom obtiveram representaçom, os nulos e os em branco e sumando-lhe a porcentagem de abstençom); ou o que é o mesmo, o cabeçalho desta entrada: Mais da mitade das galegas (com direito a voto) fica sem representaçom algumha no parlamentinho

Cobra força assim o berro de: “Nom, nom, nom nos representam” e medra nosso direito a luitar nas ruas contra as imposiçons que nos queiram impôr umha minoria governante (do PPdeGa) com apenas pouco mais que o 25% do apoio do eleitorado. Um resultado, se cabe, muito mais “guau, incrível” que o que maravilha ao neno do desenho de Parrilla que acompanha este texto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s