A voltas com a liorta num bar de Altsasu. As chaves que desmontam a versom mediática-policial-governativa

2016-10-16_visita_alsasua_0_18855_1 Hoje em quanto almorçava pugem o “parte” da tv e lim nos subtitulares que a Fiscalia do tribunal político espanhol, a Audiência Nacional, considera que a liorta entre gardias civis e vizinhança de Altsasua, pode ser enquadrada como “delito de terrorismo” e é, por tanto, da sua competência investiga-los feitos. O fiscal estabelece que “se trata de graves hechos delictivos contra la integridad física de miembros de la Fuerzas y Cuerpos de Seguridad realizados con el propósito de atemorizar a colectivos que no comparten sus ideas y generando una grave alteración para la paz pública” e posicióna-se em contra do informe policial realizada pola Polícia Foral navarra e pola mesminha Garda Civil que declaram que nom se infire que houvera umha linchagem ou malheira organizada aos dous gardias agredidos junto com suas parelhas e nom se apreça delito de terrorismo algum, se bem considera que existem indícios dum possível delito de ódio, castigado com penas de prisom de 1 a 4 anos, e de atentado á autoridade e lesons.

Mas pese a tudo isso e mais, a magistrada Carmen Lamela, da Audiência Nacional, acolheu-se ao critério da sua Fiscalia e vem de ditar um auto no que entende que o sucedido em Altsasua é susceptível de ser um delito de terrorismo, e solicita que se lhe dea translado das atuaçons que agora se seguem por um delito de atentado a agente da autoridade e lesons.

Entretanto a gente de Altasasua nom permaneceu muda ante tal acometida dos médios, dos governantes espanhois e mais dos mandos dos corpos repressivos e o sabado passado saiu em massa para dizer que nom se traga suas mentiras. Mais de 2000 pessoas sairom as ruas de Altsasua para denunciar esta montagem político-mediática.

Além as reaçons a tal montagem seguem ocupando linhas e linhas de comentários na rede desmontando a tal teoria conspiranóica que corre visos de toleria espanholeira com argumentos falaces e mentirosos como as declaraçons do diretor da Garda Civil, o engominado Cuco Fernández de Mesa, quem filtrou aos médios que um dos agentes involucrados na peleja cordinara o resgate dum autobus cheio de etarras atrapados na neve; algo totalmente desmentido há tempo polas pessoas atrapadas, as que negaram tanto que a Gardia Civil lhes auxiliara como que no grupo de afeitadas houvera ex-presos de ETA. Além há contradiçons entre as declaraçons dumha das supostas moças agredidas, que declarou o mesmo día dos autos no hospital que nom fora umha linchagem, e as outras 3 supostas agredidas selvagemente por umha manda de etarras, quem foram induzidas á mentira e á montagem por parte dos seus mandos superiores.

Recolho e colo (e traduzo) acá, como argumentário ao anterior, um comentário que lim na web do jornal navarro Diario de Noticias de quem assina como “Petilla de Euskal Herria”:

Estas som as principais chaves que desmontam a versom oficial sobre o ocorrido em Altsasu:

imagen-sin-titulo1– Se realmente houvera umha linchagem, as lesons teriam sido muito mais graves: os partes médicos dos denunciantes nom revestiam especial gravidade, a excepçom do garda civil que tivo umha fratura no seu nozelho. Pero sobre este extremo tamém existem dúvidas, dado que mentres a noiva do garda civil digera que viu como lhe pisavam o nozelho fora do bar, o garda civil assegura que sofreu o pisotom dentro do Koxka.

2– Os denunciantes chamarom por teléfone: forom os próprios gardas quem chamarom por teléfone ao quartel da Garda Civil e a umha ambulância, o qual nom seria possível se se produziu umha linchagem tam grave como descrevem os medios de comunicaçom.

3– A Polícia Foral, ao chegar ao lugar dos feitos, nom observa a linchagem: a Polícia Foral chegou dous minutos despois de receber a chamada de socorro desde o quartel da Garda Civil. Os denunciantes estavam preto do bar Koxka, e ninguém lhes estava agredindo. Se se produzira umha linchagem, o lógico teria sido que os agredidos se afastaram do lugar, pois de nom ser assim, a agressom continuaria. O ambiente era de tensom, sim, pero nom tam violento como pintarom alguns médios, já que os agentes, dous num princípio, nom só ficaram no lugar dos feitos cos gardas e as mulheres implicadas, senom que além procederam á detençom dumha pessoa. O lógico, de ter-se produzido umha linchagem multitudinária, seria evacuar imediatamente ás denunciantes para evitar novas agressons.

4– Os gardas civis e umha das mulheres prepararom suas declaraçons: a pesar de que a Polícia Foral recomendou-lhes pôr denúncias achegando os partes médicos correspondentes, os gardas civis receberom ordes dos seus mandos para nom faze-lo assim. Deste jeito, contarom com vários días para preparar as suas declaraçons, o que fai pensar que tratarom de ganhar tempo para que nom houbera contradiçons nas suas testemunhas respetivas.

5– A declaraçom da noiva dum dos gardas contradi a versom policial: a declaraçom espontánea da moça de Altsasu que acompanhava ao tenente da Garda Civil ferido produziuse no Hospital, e relata umha peleja de bar, mais ou menos violenta, pero em definitiva umha peleja de bar. Em nenhum momento fala de 50 atacantes, e reconhece que chegou a morder a umha pessoa no bar.

6Nom houvo agressons sexistas: “Nos han zarandeado”, isso é o que lhe digera umha das moças aos polícias forais que acudiram ao bar Koxka. Fronte ás acusaçons de agressons sexistas e os chamamentos ao movemento feminista para que denunciara estes feitos, o que fica claro é que nom houvo nenhuma motivaçom sexista na peleja e que as próprias moças reconhecem que só foram “zarandeadas”. A moça de Altsasu dijo que se colocou até em 4 ocasions entre os moços do povo e os gardas civís, e tam só tinha umha tendinite no ombreiro esquerdo, co que a agressom sexista nom se sostém. Tampouco houvo insultos de carácter sexista.

7Nom houvo resgate dum bus cheio de etarras: Ainda que nom tinha relaçom direita co caso, a Garda Civil filtrou aos médios que um dos agentes involucrados na peleja cordinara o resgate dum autobus cheio de etarras atrapados na neve. A história vinha de longe, mas já no seu día Diario de Noticias desmontara a proeza da Garda Civil. A pesar disso, os médios seguirom insistindo nisso, e o próprio Diretor da Garda Civil utilizou esta mentira para sublinhar a profissionalizaçom do militar espanhol. Umha mentira sobre outra.

O certo é que o ocorrido em Altsasu foi utlizado polos médios espanholistas para tratar de adoçar a presença da Garda Civil na província, apresentando aos militares espanhois como as vítimas dumha campanha de persecuiçom e acoso.. O povo de Altsasu, coa mobilizaçom do passado sábado na que participaram mais de 2.000 pessoas, com tudo, nom traga coas mentiras.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s