Nom todas as mortes “violentas” de mulheres som “violência de género”

Esta sentência com a que intitulo esta minha entrada nesta bitácora, vem a raiz do assassinato de María del Carmen Martínez, a quem os falsimédios apressentarom como a viúva do ex-presidente da CAM (Caja de Ahorros del Mediterraneo), Vicente Sala, e mesmo alguns qualificárom-na ou quantificárom-na como a ‘rainha viúva’ de Alacant, dadas as boas e intensas relaçons que esta família (nos seus tempos de esplendor) mantivera com a família real espanhola, das que destacam que seus contatos eram fluidos e contínuos cada vrão nos seus barquinhos de vela com o mar alicantino de fundo.

E escrevo isto tras constatar que esta notícia (bom mais bem as ligaçons às publicadas nos diversos falsimédios) tiverom alta repercussom nas redes sociais; se bem esta nom se pode considerar nada doutro mundo dado o colaboracionismo de muita gente á hora de pulir e compartilhar as notícias “top ten” ou “trending topic” desses mentideiros.

Mas o que me acaparou muitíssimo a minha atençom ao caso foi ver como era compartilhada por algumhas mulheres (conhecidas minhas) envolvidas na luita feminista; mas sem nenhum comentário do porquê de tal compartilhamento e tal ajuda a pulir ditas informaçons; o que me levou a pensar (igual estou errado) em que foi umha açom espontânea polo feito de que a assassinada era umha mulher e que sua morte foi violenta.

E é entom quando me retornam algumhas perguntas ao respeito da separaçom de sexos e/ou generos binária e dual que só admite certas “diversidades funcionais” (ou “desviaçons” dessa dualidade) e que fai que um bo número de mulheres tomem posicionamentos questionáveis a prol desses teorias que ubicam a todas as mulheres (explotadoras e explotadas) como vítimas da sociedade patriarcal e da sua intrínseca violência.

15390840_1828325440780222_2577910779737766941_nE como quando se fala das vítimas inocentes dumha guerra e os falsimédios apontam nessas listagens, junto a crianças e pessoas idosas, a todas as mulheres sem excepçom; como se as atuais guerras fossem só coisas de homes (como o desaparecido “brandy soberano”). Isso sim, quando há conhecemento de que nessas guerras há brigadas armadas de mulheres, entom estas se passam a ser heroinas e nos seus panegíricos e/ou epitáfios deitam sua carga de vítimas moi longe para passar a ser motivo de orgulho feminino internacional.

A eterna dualidade home-mulher defendida polas culturas ocidentais eurocentristas como algo irrenunciável está a ser questonada desde há tempo polo ativismo queer que denúncia que essas diferências nos organos sexuais e de gênero tenhem tanto sentido como se essa diferência dual estivera constrita a pessoas altas/baixas; gordas/flacas; olhos claros/obscuros... Desde esta perspectiva queer de seguro que ninguém, que se auto-considere anti-capitalista puliria numha rede social a morte violenta dumha empresária como se fosse violência de género (independente de que quem lhe disparou os dois tiros seja alguém vissibilizado como home).

Anúncios

Uma ideia sobre “Nom todas as mortes “violentas” de mulheres som “violência de género”

  1. Pingback: Nom todas as mortes “violentas” de mulheres som “violência de género” | abordaxe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s