Manuela Carmona, a alcaidessa justiceira, ataca de novo!! As suas novas vítimas: as mulheres da Associaçom Velaluz em greve de fame na Puerta del Sol

mujeres-instalaron-sol-pasado-febrero_ediima20170227_0728_19 Já quando a detençom dos dois titeriteiros de ideologia anarquista, componhentes da companhia “Títeres desde abajo”, a alcaidessa das “novas formas de governar” dera pautas de que sua carreira judicial a prol da falsa democracia constituiçonal seguia em pê contra toda caste de inimigas desta farsa. Co galho de tal intervençom policial nos seus terrenos munícipes, o concelho que ela preside tirara de nota pública (ainda vissível no seu portal) para deixar clara a sua postura (sic): “El Ayuntamiento está llevando a cabo medidas legales: la Concejalía de Cultura y Deportes se suma a la denuncia contra la compañía teatral y está estudiando la depuración de responsabilidades sobre la programación de este evento”; e nom só, culpabilizando aos artistas denantes de que fossem julgados (sic) “los artistas contratados han realizado acciones ofensivas, completamente fuera de lugar en cualquier contexto y totalmente irrespetuosos con los valores de convivencia, respeto y diversidad”.

Agora avança um passo mais nas suas justas medidas e vem de enviar á sua polícia, a polícia municipal dependente do seu governo no concelho, contra as mulheres da Associaçom Velaluz, que levam case 20 días em greve de fame para pedir que a violência de género seja considerada umha questom de Estado. Ditas mulheres asseguram que já receberom tres denúncias, dos días 23, 24 e 25 de fevereiro, por ocupar na Puerta del Sol mais espaço do que ela, a jefa, autorizara. De nada vale o argumento das protestonas de que se virom na necessidade de montar umha espécie de carpa para que a gente solidária que ficava a durmir nom se molhara coas fortes chuvas que estavam caindo. “Dois das denúncias som por isso e a terceira por todo quanto colocamos aredor da tenda na que estám as mulheres para a gente que nom estava acompanhando”, sostem umha portavoz das quatro mulheres que permanecem em greve (das oito que a iniciaram, quatro a deixaram por problemas) e que esperam estar lá até o vindoiro 10 de março; sempre e quando Carmela Carmona nom mande aos seus antidistúrbios a despejar a praza; coisa que nom seria de estranhar dadas suas maneiras repressoras.

Além disso as mulheres em greve lamentaram já em várias ocasions “a inaçom” e “os impedimentos” que, asseguram, lhes estám a pôr no concelho de Madrid.

Se estes e estas som a alternativa á luita nas ruas… vas seguir botándo-lhes e esperar que resolvam algo??

A luita é o único caminho!!

Solidairedade coas mulheres em luita!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s