Arquivo mensal: março 2017

Realidade ou ficçom: O elenco da obra do Mago de Oz em busca e captura por humilhar ás vítimas do terrorismo

Tudo aponta a que o desenho dum “carreiro branco” que enfia cara ao céu (em troques de usar o consabido caminho de baldosas amarelas) poderia ser a causa

A fiscalia da Audiência Nacional espanhola dita ordem de busca e captura contra as comediantes que representarom ontem na capital a obra O Maravilhoso Mágico de Oz. Segundo informaçons facilitadas pola polícia aos meios, na tramoia preparada para o espetáculo haveriam desenhado um “carreiro branco” que apontava ao céu para simular o caminho que leva ao castelo do Grande Oz.

As razons esgrimidas pola fiscalia para incoar tal acometido devem-se a que, segundo o fiscal, todo o mundo sabe que o caminho mágico tem que ser de pedras amarelas rechamantes e que o feito de te-las deixado em branco e além disso te-las colocadas fazendo um “carreiro” que aponta ao céu constitue, sem lugar a dúvidas, um claro delito de humilhaçom ás vítimas do terrorismo da ETA e mesmo de exaltaçom do terrível atentado desta banda contra quem se presumia a todas luzes converter-se no legítimo herdeiro de Franco – á morte deste- e que só o execrável atentado foi quem de impedir tal acontecemento.
Continuar lendo

Do suposto altruismo de Amancio Ortega

Do sinificado de altruismo podemos tirar duas conclusons que ajudem a entender porque a donaçom de Amancio Ortega de 320 milhons á sanidade pública para a luta contra o câncer nom tem nada que ver com o altruismo: 1º Se Amancio considerara “a dedicaçom aos outros como norma suprema de moralidade” nom teria agardado tantíssimo tempo (desde que se converteu em multimilhonário) em fazer algum donativo que lhe figera merecedor dessa moralidade da que, sem dúvidas, caresce. Á contra sua única preocupaçom -além de seguir copando o mercado textil a base de subcontratas onde se pratica sem pudor a escravitude infantil e a exploraçom das mulheres em condiçons paupérrimas e abusivas (situaçom denunciada multiples vezes na Campanha “Ropa Limpia”)- é seguir recebendo coba dos medios, atender sua hípica para seu próprio deleite e outros praceres mundanos.

2º Se Ortega tivera um mínimo de “abnegaçom e complacência no bem do próximo” nom daria as costas ás continuas denúncias de escravitude das crianças e mulheres exploradas por firmas subsidiárias de Inditex e já teria rematado com elas e com a mesma pagaria um jornal mais que justo ás suas empregadas. Mas se tal figera nom seria multimilhonário graças ao sudor de outras.
Continuar lendo

Resposta do CSO A Insumisa (A Corunha) ao ataque orquestrado em “La Coz” contra a okupaçom

Quem tenha arrestos para colher e olhar este bódrio jornalístico -feito na Galiza e que, pese a viver graças ás subvençons das instituiçons e ás suas interesadas anunciantes (mesmo de prostituiçom), sementa o auto-ódio pola nossa língua e costumes e é entusiata porta-voz dos ideias patrióticos espanhois encarnados nas políticas partidárias da direitona (PSOE) e da extrema direita (PP) e do capitalismo destruitivo e vertical e que já foi merescente de várias campanhas de “Boicoz”– nom se estranharia de lêr, nestes últimos días, um feixe de cabeçalhos de notícias e artigos de opinadores sobre os perigos das okupaçons e como evita-las e/ou combati-las, mesmo de supostos intermediários que se forram a conta de especular com edifícios okupas (a quem curiosamente “La Coz” da voz pero agocha a identidade destes aproveitados) e além, no caso da sua ediçom feita em A Corunha, atopará até quatro artigos escritos e publicados em 24, 26, 27 e 28 de março com crónicas e fotografias que pretendem dar umha má imagem da fantástica laboura realizada no CSO A Insumisa desde que fora okupada e aberta á cidadania em 24 de novembro do ano passado e que mesmo mintem ao respeito dumhas supostas boas relaçons entre governo municipal de A Marea e as okupas. Como prova de tal campanha orquestrada vala esta imagem da busca que figem no google das notícias que tiveram o termo “okupa” e sairam neste falsimédio na última semana:
Como o objetivo deste falsimédio é tergiversar e manipular para assim pretender influir na opiniom das pessoas que nunca se passaram por lá para ver e comprovar polos seus próprios olhos o que lá se está a fazer e construir día a día; as compas que conformam a assembleia (aberta e participativa a quem quiger) do CSO “A Insumisa” virom-se forçadas a respostar as mentiras verquidas e publicar um seu Comunicado na sua página dumha rede social da internet que cópio e colo para ajudar a dar-lhe pulo e difusom; mais tamém dou pulo a um boíssimo comentário assinado por suko5824 (que traduzo) dirigido em resposta a um tal C.Díaz, assinante dos 2 artigos em “La Coz” , quem “aproveitando a que se lhe abrirom as portas (como se fai com qualquer), tomou fotografias onde saem pessoas (sem pedir-lhes permiso), volveu á oficina e para seu benefício laboral e económico persoal, compartilhou informaçom sobre as condiçons, situaçom e incluso pessoas que lá se atopam, publicando 2 artigos num meio de comunicaçom privativo com copyright sobre seus contidos”: Continuar lendo

Ser Anarquista x Ruymán Rodríguez

Ruymán Rodríguez, anarquista da FAGC (Federación Anarquista de Gran Canaria) quem fora torturado pola Guardia Civil tras ser detido sem justificaçom algumha em abril de 2015 como parte da campanha policial para desestabilizar o projeto da Comunidade “La Esperanza”, vem de fazer público no portal AlasBarricadas deste seu artigo que, umha lido e traduzido, subscrevo em case sua totalidade e compartilho (*):

Ser anarquista

Desde que era moi novo e empecei a contatar com outras anarquistas alheias ao meu círculo sempre me sorprendeu a forma de abordar o que poderiamos chamar a “identidade anarquista”. Sim, certamente enténde-se como umha identidade, cultural, filosófica, política, social. Sempre me diziam, cum aire de solemnidade e mirando ao horizonte cos olhos brilhantes: “eu anarquista? Algum día gostaria de se-lo. Estou nisso”. Ou tamém: “anarquista? Essa palavra é demasiado grande para mim. É um processo, ténto-lo”. Faltava música de violim de fundo e um manto de neve que case nunca cae em Canárias. Eu, a pesar de ser moi inexperto e ter a cabeça repleta de leituras, nom sabia moi bem se crêr-mo.

Co passo do tempo nom vim que se rebaixara este discurso. Converter-se em anarquista é entendido por algumhas como umha prova iniciática: de capulho a ser superior. É um processo de anos que require leituras, formaçom, aprender códigos e mil requisitos formais. É case como umha oposiçom. Opositar para anarquista, que grande tarefa.
Continuar lendo

Ejército nas ruas de London sob a escusa dos assassinatos dum alienado

Os falsimedios británicos (1 e 2) fam-se eco das declaraçons dos responsaveis policias quem reconhecem nom ter atopado ligaçons entre Adrian Russell Ajao, o inglês autor do ataque na semana passada junto ao parlamento de London e o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI), que o reclamou como um dos seus “soldados”.

Além aportam o dado inquestionável de que agiu sozinho: “ainda acredito que Masood atuou sozinho nesse dia e nom há informaçom de inteligência que sugira que estejam sendo planejados mais atentados afirmou Neil Basu, assistente do delegado da Scotland Yard, quem acrescentou “é possível que nunca possamos entender por que ele fez isso”.
Continuar lendo

O Cunhadismo Progre x Anarkaoss

Colo do Portal Libertário Oaca (e traduzo) este magnífico artigo autoria de Anarkaos:

Muito fála-se do cunhadismo, representado principalmente por personagens como Bertín Osborne, os políticos do partido de Cidadáns ou a direita em geral. Com tudo, pouco fála-se do “Outro cunhadismo”. O cunhadismo de esquerdas, progre ou alternativo, como se prefira chamar. Segundo bem definiu Pablo Iglesias, o cunhadismo seria o uso dialéctico e argumentativo utilizando máximas, lugares comuns, obviedades e tópicos râncios.

Ata aqui, tudo bem, pero Seica a esquerda política nom fai o mesmo ou quanto menos de moi similar forma?
Continuar lendo

1 de abril desde as 21:30′: SUBSOLO RAP FEST- 5ª ediçom na Sala Moon e Bar O’Pozo

Meu bo amigo Adri, “Furnier”, um dos organizadores deste Festival independente de música Rap, remitiu-me um seu correio coa programaçom da 5ª ediçom e a explicaçom do que vem sendo este festival, que desde já conta tamém co seu próprio blogue SUBSOLO RAP FEST. Co galho de ajudar a dar-lhe pulo, colo acá o correio recebido:
Boas xente, escrebemos para animárvos a difundir e acudir á quinta edición do SUBSOLO RAP FEST, o vindeiro sábado 1 de abril ás 21:30H na SALA MOON (Compostela). SUBSOLO RAP é un festival independente de música rap. Os obxectivos principais deste evento ademais da difusión dos artistas que nel participan, é xerar un espazo-tempo de referencia para a escena underground do rap na Galiza e o resto da Península Ibérica, así como aportar ao circuito cultural de Compostela un festival alonxado das radiofórmulas e a lóxica puramente mercantil que invade o ocio da nosa vila actualmente. Este proxecto naceu en marzo do 2009 e desde entón xa temos realizado catro edicións de maneira intermitente, e imos a pola quinta!!
Continuar lendo

19 dos 67 membros do grupo parlamentar de Unidos Podemos-En Comú Podem-En Marea nom assinam o manifesto em apoio dos moços de Alsasua

Ontem diversos fasimédios destacavam que “podemitas e suas confluências” consideravam como vítimas aos agressores dos gardas civis em Alsasua e punham-lhes a cair na lama por ter recebido na Cámara baixa espanhola ás familiares dos moços implicados na lea de bar e a quem os falsimedios e seus sequaces qualificam como terroristas e além por ter assinado, 48 dos 67 membros do seu grupo parlamentário, o manifesto que lhes apresentaram ditas familiares; e nom só dado que quantificavam como notícia o feito de que umha das suas vozeiras parlamentárias declarara que «as pessoas agredidas som vítimas, e as pessoas que estám sendo submetidas a um processo judicial injusto e desproporcionado som tamém vítimas»
Continuar lendo

Sobre o atentado de London. Reflexom de Ghaleb Jaber Martínez (Fundaçom Araguaney) e outras cousinhas

Ontem de novo a rede de redes enchia-se de desenhos e imagens solidárias para com as vítimas do atentado de London e coa mesma medravam os sentimentos razistas e islamofóbicos nos compungidos coraçons europeistas. Outra volta coas mensagens “Yo soy”, “Je suis” ou “I am” e os falsimédios bombardeando suas mensagens razistas e islamofóbicas e assim pese a que o sinalado como autor material dos feitos seja nascido na Inglaterra já rapido apontarom a que “estava inspirado no terrorismo internacional islamista”.

O primeiro que se me veu a minha cabeçinha foram as palavras que digera minha nai no ano passado quando os atentados na Bélgica nos pilharam de viagem cultural-festivo familiar no cercano París: isso se passa todos os días do ano no mundo enteiro, umha sentência coa que dava a entender o pouco que se fala destas coisas quando sucedem longe da nossa egoista vissom europeista e no ato eu ficara enormemente orgulhoso de ser seu filho.

Hoje navigando cheguei a imagem que acompanha esta entrada e mais as declaraçons de Ghaleb Jaber Martínez (moi na linha do expressado pola minha nai numha só frase e mesmo vai mais lá e sinala as causas e os responsaveis) e decidim traduzir ambas e dar-lhe pulo nesta minha bitácora:
Continuar lendo

As 10 trampas das reformas á Lei Mordaça

AlbaV, membra da Plataforma apartidista “No Somos Delito” (formada por mais de 100 organizaçons e nascida co galho de informar sobor do sinificado da Reforma do Código Penal e da Lei de Seguridade Cidadá), publicou a primeiros deste mês na web deste coletivo um artigo que recolhe as 10 trampas das 2 propostas de reforma apresentadas polo PSOE e PNV e que um grupo de mais de 20 juristas e cidadás sinalam como resultado dum seu profundo trabalho de análise de ambas reformas.

Aproveitando este trabalho e vista a desbordante alegria de algumhas ilusas por mor de que o PP perdeu a votaçom no Congresso e vai ter que pautar as reformas; recolho acá nesta minha bitácora algumhas das reflexons (sem numerar) que se despreendem deste trabalho coletivo que vos convido a conhecer á íntegra na ligaçom anterior:

A proposta de derrogaçom do PSOE combina o pior da Lei Mordaça e da Lei Corcuera (mais conhecida como Lei de Patada na Porta) e abusa do uso de conceitos jurídicos indeterminados e genéricos, que dificultam a definiçom do ámbeto de aplicaçom da lei, o que nos deixa de novo ante umha situaçom de indefensom fronte á norma.

Pola sua banda, o PNV anúncia umha ampliaçom do direito de greve e dos direitos e liberdades das pessoas estrangeiras mas se continuamos a leitura do texto, descobrimos que NOM se incluem tais câmbios!, pois nom aparecem desenvolvidos no seu articulado.
Continuar lendo