APONTAMENTOS PEDANTES SOBRE O AFFAIRE DO PREGAO x Quico Cadaval

Recolho e colo (tal qual) da sua página duma rede dessas que chamam sociais:

(Este texto está escrito em galego internacional, chamado português, para facilitar o trabalho dos vossos tradutores de internet. De nada)

OFENSA.- Parece que hai pessoas que se sentem ofendidas ao ouvirem ou lerem algo, senten uma estimulaçao cerebral acompanhada de taquicárdia e outras manifestaçoes psicosomáticas. Aconteceu-lhe a alguns ao ler o que lhe disseram ao redator, que parece que ouvira um matrimónio na praça do Toural, na efusao do pregao das festas do entroido de Santiago. Eu entendo perfeitamente esses sentimentos e manifestaçoes físicas associadas, porque eu ofendo-me com frequência. E tomo medidas para dar saida á minha indignaçao. Por exemplo: Eu levo sem ler os jornais desde o dia 1 de outubro/17. Constantemente lia en jornais antigamente discordantes, ofensas unánimes á minha inteligência, á minha sensibilidade e aos principios democráticos nos que se sustenta a nossa convivência. Que foi que eu fiz? Mandar ameaças aos midia em questao, ou objectos incendiários contra as suas instalaçoes, ou sombrias insinuaçoes do gênero “sei aonde vao á escola os teus miudos” referindo-me aos filhos dos criadores de opiniao.Nada disso, nem solicitei que lhe fossem retirados os subsídios públicos que sustentam a sua liberdade de expressao. Simplesmente, deixei de ler esses dignos cabeçalhos. Mas nao, agora instalou-se uma cultura de inspiraçao futbolística que nos permite o linchamento e posterior julgamento duma pessoa, neste caso, Carlos Santiago, um tipo viciado na liberdade de expresao, para maior ofensa.

UM PAPEL Um jornal local, que está a passar por graves dificuldades económicas, levanta a notícia, mas nao consegue aportar uma cita textual. Provavelmente as graves restriçoes orçamentaria nao lhe permitem o dispéndio de recarregar o telefone dum reporter e por isso nom temos nenhum registo das ofensivas palavras (ver OFENSA) De onde tira a informaçao? Um matrimónio que passava por ali e que escutou com horror, horror acrescentado pola presença de crianças inocentes (ainda nao identificadas) que estavam pola praça. Consultados vários centros sanitários e gabinetes privados de logopédia, nao se registaram ingresos de crianças baixo os efeitos psicosomáticos das palavras ofensivas. Só o matrimónio, que prefere manter o anonimato, apreciou o inefável sofrimento da alma infantil.

EFEITO BORBOLETA A informaçao do jornal aludido mais para cima, encontrou réplica (se se me permite a expresao tirada da sismologia) no vozeiro municipal do PP de Santiago e no seu equivalente saragoçano. Quer dizer no candidato aragonês que ,do mesmo jeito que Agustin Hernández também perdeu as eleiçoes, e pertencem um selecto clube de perdedores dentro do partido. Qual é a causa que uniu estas duas almas tao afastadas na distáncia e tao próximas no infortúnio? A defensa das honras respeitivas do Santo Iago e da Virgem do Pilar. Dnetro do mesmo fenómeno sísmico, dous jornais da beira do Ebro, quando menos, também reproduziram clonicamente as novas da blasfémia. Provavelmente, os dois jornais aragoneses estao a passar também uma dificil situaçao económica e nao tem tempo/dinheiro para fazer a comprobaçao de fiabilidade das fontes, escrúpulo no que destaca o New York Times.

UMA LENDA DOURADA Contam, desde o século XII, que andando Santiago a predicar a sua fe na Hispania, tinha pouco sucesso (fala-se de só 7 seguidores) e ás vezes sentia fraquejar a sua determinaçao, nestes momentos baixos recebiu o apoio decidido da mae de Cristo que se lhe apareceu na sua presença carnal (citaçao textual) empoleirada em uma coluna de pouco fuste. Com este ânimo remugicou o santo, que se entregou com renovado entusiasmo ao espalhamento da fe. Talvez por tendéncia natural,deprimiu-se outra vez em Mugia, na Galiza, e ai apareceu novamente a virgem surfeando uma barca de pedra, que se comemora na festa da Barca (ver wikipedia) Por enquanto, o vozeiro do PP de Mugia nao abreu a boca para protestar. Talvez porque em Mugia ganhou o seu partido as eleiçoes. Será a santa de Mugia e a de Saragoça nao sao a mesma pessoa???

CALENDARIO SARAGOÇANO A tradiçao católica afirma que o fenómeno mariofánico de Saragoça aconteceu exactamente o dous de janeiro, mais ou menos do ano cuarenta da nossa era. Para demonstrá-lo citam-se documentos do século XIII. Porque tardaram, quase doze sécuos em difundir um acontecemento tao goçoso? Provavelmente porque adicaram tempo a comprovar a veracidade das fontes documentais. Considera-na a primeira das mariofanias seguidas por Guadalupe, Coromoto, Lourdes, Fátima, apariçoes que sao diversas actividades da mesma pessoa: a mae de Cristo. Portanto, para abreviar, a Virgem do Pilar nao existe, como pessoa, é apenas uma maneira de chamar-lhe a Maria das Escrituras, é uma advocaçao.

UM PROBLEMA IMAGINARIO Se a mae de Cristo é única, e as advocaçoes sao simples maneiras de lembrar algum merito ou feito memorável da actividade caleidoscópica á que foi submetida pola imaginaçao medieval, a suposta ofensa a uma advocaçoa nao vai dirigida a pessoa santa nenhuma. Se consideramos que qualquer das alcunhas representa á Virgem Maria e se aceitamos que é uma pessoa sagrada, nnao tem porque constituir-se em depositaria da ofensa o lugar da celebraçao, em este caso Saragoça, pois a hipotética ofendida nao lhes pertence a eles. Agora se a Santa do Ebro e a da Costa da Morte, sao pessoas distintas, estamos perante um caso de idolatria que a Igreja condena. Neste caso, é á Igreja Católica a quem nao lhe devia importar. Parece tudo isto muito enrevesado, mas suplico paciéncia. A Virgem do Pilar nao existe, é uma construçao imaginária sobre uma pessoa sagrada. Nao há portanto ninguém prejudicado. Estamos perante um dos célebres Crimes sem Vítimas, modalidade judicial que se iniciou para as persiguiçoes religiosas. Uma criança de oito anos pode explicá-lo muito bem usando como analogia as metamorfoses de Pokemon. Parece que as funçoes épicas da Virgem mudam seguindo os caprichos dos seus devotos que ao contrario. Deste modo foi convertida a protagonista deste comentário em “capitana de la tropa aragonesa” como diz a popular jota. Equivalente foi o alistamento de Santiago na crucial batalha das Navas de Tolosa.

UMA ADVOCAÇAO Todas estas maneiras de designar a Virgem, provocaram suspicácias nas autoridades religiosas que criam ver nelas indícios de paganismo. Outras especialistas estao dispostas a demonstrar que muitas das mariofanias se faziam coincidir com lugares fortemente significados na religiao autóctona, muitas vezes vencelhados a emblemas naturais como fontes, rochedos ou grutas. Algumas igrejas como as evangêlicas consideram heréticos estes cultos e sentem-se profundamente ofendidos pelas práticas e rituais dos veneradores de Pilar, Fátima, Lourdes ou Guadalupe, e pensam que essas práticas despreçam a Jesús e ofendem o seu Deus. Mas ninguém os persegue e os ameaça desde as redes. Por enquanto.

AMEAÇAS Algumas pessoas, tao pouco sutis e juiçosas que dedicam o seu tempo, como os galgos, a perseguir coelhos mecânicos que alguém lhes solta nos seus fuzinhos, ameaçam o autor do pregao, por cousas que disque alguém disse queele tinha dito. Como vivemos numa sociedade contaminada pelos juiços públicos e as series de tv, estes energúmenos (ver ENERGÚMENOS num dicionário etimológico) declaram que nao ameaçam a modo de ameaça, tentando, deste modo nao incorrer em responsabilidades penais. Mas nós sabemos desde a época da escola, que a frase “Nao te quero partir a cara” é uma forma poética para dizer “Quero-te partir a cara” .e dizer “Me gustaria encontrar al tipo del pregón” esconde ironicaménte uma elipse que, sem dizé-lo, dá a entender as agressoes que promete praticar nessa pessoa. Porque? Porque viu nas redes que disse um do PP, que disse um papel anti-higiénico de publicaçao diária que o pregoeiro disse umas palavras.

PALAVRAS. Finalmente, quais sao as palavras? Uma alusao aos testículos do santo, um insulto direto á Virgem do Pilar (Que já demostramos que nao padece) e uma sugestao de felaçao practicada pola dita virgem. Como vemos, a subtil literatura do papelório deixa-o tudo á nossa imaginaçao. Nao contém nem uma cita textual. Os tres temas sao excitantes, intelectualmente, e nao tardaram em aparecer vozes ofendidas do tal partido e da igreja. A coisa nao é para menos. No partido , o tamanho dos testículos sempre foi moi importante, no seu sentido metafórico, significando coragem, valentia… E a palabra felaçao activa todos os alarmes da igreja católica: pronuciada ao acaso numa reuniao pastoral provoca entre os assistentes uma reaçao parecida coa das galinhas ao caerem os punhados de milho, ou á do ludópata quando na máquina dos quartos lhes toca o especial, caem as moedas e sente-se o som metálico da música de La Cucaracha… Ainda que a palabra felaçao lhes soe a música celestial, nao podem esquecer que se trata de uma blasfémia.

BLASFEMIA Do grego, significa palabra ofensiva. Mas co paso do tempo reduziu-se a palabra ofensiva contra a divindade. Como dizia o Marquês, a divindade dispoe de instrumentos de sobra para vingar as ofensas que lhe fazem, sem necessidade de apoiar-se em jornais em faléncia, candidatos perdedores, haters de internet nem em associaçoes de advogados católicos (estes tenhem-nas toda, coitados). De blasfemos foram alcunhados os primeiros católicos polos seguidores da religiao oficial, os adoradores de Jupiter, que posteriormente foram acusados de blasfemos, e condenados, quando o cristianismo se converteu em oficial. Na actualidade a blasfémia pertence ao folklore dos paises católicos que a diferença de evangêlicos e muçulmanos, converteram a blasfémia numa das belas artes. Lembrando-me do passado estremeço-me de pensar de quando participei num concurso de blasfémias(nas que se premiava a criatividade literária) provocado desde a rádio por Carlos Blanco. Agora estariamos os dous nas proximidades do caldeiro, Carlinhos. E com nós, a metade dos aragoneses. Um astuto filósofo alemao descobreu que todas estas actividades militantes por parte do cristianismo, com actitudes beligerantes, violentas, no espaço público e no político, incluso bélicas, como choque de civilizaçoes e o ataque a paises com teocracias de outro signo, sem esquecer oa fronte que se abre no pedagógico e científico, negando os avances do pensamento e das descobertas experimentais, tudo isto digo, devia ser chamado de Ideología Postcristiana: uma conspiraçao que conservando os signos e os rituais externos do cristianismo, despreça completamente o seu legado moral e humanista, e blasfematoriamente utilizam o nome do seu Deus como instrumento para lograr fins espúreos, reaccionários e (despreçando o sacramento mais original do catolicismo) inconfesáveis. Um exemplo da renúncia ao legado evangélico sao as matanças indiscriminadas nas guerras petroleiras, outro é a negativa a permitir que as pessoas poidam honrar aos seus mortos segundo os seus desejos.

CALENDÁRIO SARAGOÇANO II Se denunciassem e perseguissem a todos e todas habitantes de Saragoça que dizem quotidianamente “Me c…en la virgen del Pilar” ou mais carinhosos “C…en la Pilarica” nao lhes iam chegar para metê-los todos os centros de internamento de inmigrantes. Aínda que eu tenho detectado nestas advocaçoes locais, que os nativos tem uma espécie de salvoconducto para dizer o que os outros se nos prohibe. Muitos anos atrás actuamos num festivalinho em Malpica (Saragoça) e na festa final, os nossos anfitrioes nao paravam de acompanhar os convites e brindes com a blafémia antes referida, que citava á sua Pilarica. Em uma altura, para mimetizar-me com os nativos também eu proferim a blasfémia. Ai parou a festa, e muito serios recomendaram-me “Tu cágate en el Apostol Santiago, si quieres” Era 1987, era uma profecia de tudo isto?

EUFEMISMOS Como bom pais católico, para além de cultivar o gênero da blasfémia, também temos a linguagem sexualizada em demasia. Sempre que se fala de sexo esta-se a falar de poder. Lambe-me o cu, fodeu-te bem fodido, abriche-te de patas, a lei da memória histórica,chupa-ma!, etc, etc, Sao expressoes que nao significam o que literalmente dizem, sao metáforas da raça do eufemismo. Realmente significam, por ordem: Adula-me polo seu interese,venceu-te nesse negócio, descuidaste a vigilácia, nao me importam os descendentes dos vencidos. Para concluir, uma frase como “El Barça se la chupa a este Madrid campeón” nao tem nada a ver com as práticas de sexo oral no calor dos estádios de fútbol Sinto decepcionar com esta revelaçao á igreja irlandesa.

UM MATRIMÓNIO. Hai dous anos , um matrimónio denunciava uns titiriteiros em Madrid, el Pais, 13 tv e o governo municipal atacaram os infelizes como se dum só homem se tratasse. Agora, un enigmático matrimónio passa polo Toural e abre a caça do homem, esta vez por fortuna só saltam os sabuxos desdentados da imprensa e da tv locais, mais o governo local abstem-se de unir-se á caçata. Um detalhe. Mas, quem é esse matrimónio que está sempre no momento adequado no lugar precisso? Nao seriam os mesmos do 1 de outubro em Barcelona? Estaram-se a preparar para visitar o cada vez mais insumiso carnaval de Cádiz?

FESTA Um partido político reage sempre com indignaçao a cada um destes caçapos levantados polo perspicaz Matrimónio que ouve o que ninguém pronunciou. O PP tem feito material de brilhante oratória politicapocalíptica, uma cheia de eventos festivos, o cartaz do Entroido da Corunha, os reis transexuados da cabalgata de Madrid, os fantoches de Alka-ETA e agora a honra perdida da advocaçao mariana. Nao sao demasiadas festas, senhores e senhoras do PP? Porque nao se ocupam da sua casa que tem muito que limpar e se podem e a sua ética lho permite, ocupar-se do bem público, tentando que sigam sendo públicos, entre eles a liberdade de pensamento, a liberdade de festa e a toleráncia. Se estudam e se aplicam com entusiasmo, podem consegui-lo.

ENTROIDO “Ai, entrudo, ai entrudo, ai entrudo chocalheiro” Poderemos deixar que o Entroido continue a ser a festa de transgressao, da inverssao, da desinibiçao? E se hai pessoas que sofrem com as ofensas, que se retirem do meio, como fago eu quando chega a semana santa, que fago turismo rural para nao incomodar ás pessoas que goçam da celebraçao. Porque se esta censura de mil olhos continua, daqui a pouco o Entroido vai acabar parecendo o Intermedio, com chistes sobre o brécol, El Rubius e as saunas gays.

HUMILDE PEDIDO Solicito que o jornal que publicou a nova se retrate e peça desculpas a Carlos Santiago. Ao PP que se deixe de festas e que fagam algo pola vida. Ao governos municipais que deixem de organizar o entroido, que é um oximoron, e desse jeito nao tem que aturar o PP de Saragoça ademais do de aquí. Á Igreja católica lembrar-lhe que aquí nao passou nada, que Deus nao necessita instrumentos mundanos e que vê os pecados mais ocultos. Ás pessoas aragonesas democratas, que nao se deixem representar por essas vozes e que digam algo, cagüen..!.E a Carlos Santiago que deixe de usar óculos oscuros, para interpretar a advocaçao facha e provinciana que nao lhe ficam bem á personagem. E nao digas por ai que trabalhas comigo, que eu tenho filhos que manter e nao quero problemas. Ah, e o matrimónio que viage menos. E ao papelório, diário, que se recicle.

OFENDER Nao ofende quem quere, mas quem pode.
Nao se ofende quem pode, mas quem quere.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s