A Teoria da “ESPIRAL do SILÊNCIO” e o COVID

A cientista alemã, Elisabeth Noelle-Neumann, formulou esta Teoria da Espiral do Silêncio na década de 70 do século passado na que explica como a opiniom pública influência o comportamento das indivíduas. Segundo ela, a característica básica da sociedade humana é o medo do isolamento e assim a maioria das indivíduas omitem sua opiniom quando sabem-se em conflito com a opiniom dominante devido ao medo às críticas, às mofas e mais que nada a ficar isoladas pelo que, ao identificar que pertencem à minoria, preferem resguardar-se para evitar impasses o que vem a gerar uma tendência progressiva ao silêncio, tratando-se, pois, de um movimento ascendente em espiral, daí a denominaçom Espiral do Silêncio, porque as indivíduas, ao nom expôr suas ideias, automaticamente compactuam com a maioria, de modo que outras pessoas, que poderiam concordar com elas, tamém deixam de verbalizar suas ideias e acostumam a calar por medo a represálias.

Nas sociedades onde os média adotam o papel de formadores primários de opiniom, a sociedade acredita fielmente no que neles se di. Aquelas divergentes que tiveram opinions contrárias calarám fazendo parte dum grande grupo silencioso onde cada qual teme emitir sua opiniom para assim evitar um outro confronto de opinions contra dessa gente que, crendo-se maioritária repite coma um mantra os ditados publicados nesses média. Di a Elisabeth Noelle-Neumann que, pese desconhecer-se entre si mesmas, esse grupinho silencioso pode significar uma maioria da sociedade, que se vê assim silenciada. E é, nestes casos, quando este Teoria demonstraria que, pese ao que poidera parecer, a persuasom destes mentideiros nom é em realidade tam forte quanto se espera.

George Orwell, o homem que escrevia como se vislumbrasse o futuro com uma bola de cristal, presenciara na sua joventude, nos vários anos que permanecera como polícia imperial em Myanmar (antes Birmânia), as desigualdades características dos governos imperialistas e esta sua experiência vital servira-lhe de inspiraçom paraseu relato pseudo-biográfico “Dias na Birmânia” onde retrata a hostilidade dos representantes do império contra o ambiente, costumes e as habitantes locais. Estos abusos colonialistas, se bem já indignavam na altura ao futuro escritor, este reconhecera que, durante sua estância em Myanmar, se mantivera calado por medo de represálias.

A mim -com tudo isto da Campanha Mediática Orquestrada encol o MEDO ao COVID e as diversas medidas profilácticas impostas desde arriba que vam mudando dum dia a outro e som diferentes duma beira a outra dum mesmo rio- dá-me no nariz que somos muitas as que nom estamos dispostas a ser de novo encirradas por temor a morrer por infetar-se dum vírus que nom podemos ver vir; que somos muitíssimas as que estamos fartas de tanta desinformaçom e tanta pandémia.

Isso sim, as nossas vozes, nossas opinions, seguem sendo motivo de escárnio e/ou escándalo em todas as televisons e jornais de grandes tiradas e as suas “papagaias”, conscientes ou inconscientes, repitem seus argumentos banais nas RRSS para colaborar em desprestigiar assim toda voz discrepante e fazer chanças coas nossas opinions qualificando-nos desde irresponsáveis até mesmo de colaboracionistas com vírus terroristas.

Tamém gostam de igualar-nos a todas as descridas das suas teses do medo e assim assinalam-nos co dedo ás que nom comungamos coas suas roldas de muinho do medo ao COVID como se fossemos todas “terraplanistas”, membros duma seita de adoradoras dos vírus e do demo, ou fascistas de VOX do bairro de Salamanca da capital española.

Eu sego á espera, notanto, de que alguém me explique porque quando começaram os contágios e as mortes nom era recomendável levar posta a máscara se nom estavas doente e, em troques, agora que apenas morre gente por estes lares por esses “bichinhos” há que leva-la sim ou sim mesmo que vaias dando um passeio tu sozinha por um deserto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s