[Gráficos Vissuais] México e Suécia, sem mascarilhas nem confinamentos, tenhem milhores dados da COVID do que España

Há gente à que os números nom lhe entram na cabeça, mesmo há gente que por vagância, desinteresse ou apatia nom gosta de lêr nada que se saia da norma estipulada sobre a COVID nos presuntos meios afins à teoria oficial sobre a pandemia da COVID que nos vendem por estes lares da Europa ocidental.

Entendo que só com cifras que, para muita gente, lhe resulta bem difícil de digerir para poder afazer-se a uma ideia do alcanço desta nova doença da Humanidade.

É por isso que, pese ao complexo da tarefa, decidim-me a fazer uns gráficos vissuais que reflitam os positivos e mais a mortalidade da COVID na España e afazer uma comparativa desses mesmos dados em dois dos países que menos restrinçons aplicaram de obrigado cumprimento -baixo ameaça de multa- para com a sua cidadania; tal qual fam Suécia e México.

SUÉCIA

Suécia, leva desde a declaraçom da Pandemia pola OMS, uma política preventiva da COVID moi diafana, sem obrigar a usar mascarilhas, sem confinar à povoaçom, sem toques de queda e com bares e restaurantes abertos e coma tal, nom poucas vezes foi maltratada pola imprensa afim ás disposiçons tomadas polo governo español mais progre da história e/ou ás dos governinhos autoanémicos (in)competentes, que tildou-na de irresponsável e criminosa e mesmo de quando em quando manipulava dados para fazer crêr que lá estavam muito pior do que acá por nom ter tomado essas medidas, quando é totalmente FALSO.

Anders Tegnell, diretor da Agência Sueca da Saúde (que nom é um cargo político), argumenta que o secreto de que nom aplicando medidas restritivas algumas tenham uma situaçom similar ou incluso milhor do que noutros países europeus (entre eles España) está em que na atitude sueca foi, e segue a ser, explicar á sociedade como é que se contágia o virus e esperar que a cidadania seja responsável. E assim na Suécia às suas gentes consideraram que nom vale de nada ordenar distanciar-se das demais, proibir comer num restaurante moi perto de outras, ou que nom se entre num supermercado quando há aglomeraçons; porque crêm que é milhor que cada quem atúe responsávelmente. Todas as medidas, por tanto, som voluntárias e discrecionais.

Nestes dos quadrados refletim a porcentagem das infetadas (cor vermelho), das mortes (cor negra) e das sás (cor verde) de âmbos países:

Caseque que som imperceptíveis as diferências. Suécia supera a España em porcentagem de pessoas infetadas em 0’12 pontos e España supera a Suécia em mortes em 0’03 pontos.

Isso sim na España seguimos com restrinçons abusivas depois de um ano da Declaraçom Universal da Pandemia, entanto na Suécia apenas modificaram seus jeito de viver e poideram abraçar-se, beixar-se e mesmo passear sem tapa-bocas e ir almorçar, jantar ou ceiar fora do fogar. Além, em esses termos macroeconómicos que tanto importam nestas sociedades Capitalistas, Suécia é o país europeu cuja economia sofreu menos, com uma contraçom de apenas um 2,8 %.

MÉXICO

Tanto México coma Nicaragua foram os únicos países de Centroamérica que nom fecharam as suas fronteiras aéreas nem impugeram restriçons à entrada de viageiras; tampouco sofreram de quarentenas de obrigado cumprimento nem de toques de queda.

No México, tras conhecer-se o primeiro contágio em 28 de fevereiro de 2020, seu governo recebera muitas críticas por nom adoptar medidas mais severas dantes de que medraram os casos. López Obrador, seu presidente, foi duramente criticado por continuar celebrando as suas giras de fim de semana nas que abraça a dúzias de pessoas que lhe saem ao passo para ser saudadas. Por essa e outras suas atitudes mesmo foi acusado num Comunicado da ONG Human Rights Watch de que “seu comportamento é um exemplo sumamente perigoso que ameaça a saude dos mexicanos”, e de ter um “desinterés temerário em brindar informaçom veraz sobre a pandemia”.

Tal que assim o governo de México, ao igual que o de Suécia, nunca obrigou à sua cidadania a que ficara na casa, limitándo-se a recomendar que figera tal “se nom é indispensável” sair.

Há coisa de um mês, soubo-se que López Obrador se infetara e superara a COVID e nom se vacinara, e figera umas declaraçons que o mais importante é a LIBERDADE, asseverando que ele ia seguir sem ponher-se um tapa-bocas e ia seguir fazendo a sua vida normal. Umas declaraçons que por estes lares nom se viram nem escutaram nos falsimeios e quando assim foi, Obrador foi tildado de tudo, onde irresponsável foi o termo mais suave. Neste vídeo expressa suas intençons:

Ao igual que com Suécia hei acá a comparativa em gráficos:

As diferências porcentuais nas mortes é inexistente, tal qual observa-se no grossor da cor negra, mas no que respeita ao de pessoas infetadas que deram positivo nas provas da COVID, a diferência é abismal, salta à vista na imagem gráfica, onde a cor vermelha é muitíssimo minor no caso de México.

Nom escrevo isto para convencer a ninguém de nada. É coma uma necessidade urgente de botar todo meu cabreio fora de mim dalgum jeito, nom por terápia, senom por sentir a impotência ao comprovar quanta submissa me rodeia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s