Escasa participaçom cidadá na manifa contra a invassom dos eólicos na Galiza. Grandes claros no Obradoiro e poucos berros.

Sinto-me raro quando miro ao meu redor e vejo tanta complaciência num momento de total falha de luita radical (sim da que vai à raiz dos problemas). Sinto nojo quando participo em manifas onde muitas seguem a levar as suas bocas tapadas com trapos e nom é para passar desapercebidas fronte as forças repressivas, e que mesmo nalgumas convocatórias nas RRSS há quem fai ainda um chamado a ir todas com tapa-bocas por “respeito e por saúde”… E pergunto, eu, respeito para com quem?? coas incompetentes autoridades sanitárias? cos governos que nos tapam as bocas e que permitem instalar eólicos a eito e sem jeito e roubar-nos as terras? Porque se é por saúde, seguem muito enganadas (ler acá)

E assim assistimos a um presunto (ou presuntuoso) ato de protesta onde a imensa maioria adicou-se só a caminhar falando de qualquer coisa com suas vizinhas o com essas amizades que só se atopam nestes passeios… e onde apenas, durante tudo o transcurso da mani, escutaram-se cânticos e consignas de luita e, para mais inri, há gente dirigindo o transcurso que, com vozes de ordeno e mando, vam dizendo e decidindo, por onde tes que te colocar para sair na foto.

E para colmo, no remate, apôs os consabidos discursos das personalidades do palco de autoridades (bom, dessas que se destacam na faixa da cabeçeira da mani e que som perseguidas polas câmaras dos falsimédios porque, entre elas, sempre há personalidades políticas profissionais na busca de votos), tratando de monicreques às assistentes tal qual coma se só fossemos participantes duma atuaçom estelar duma estrela mediática dirigindo um happening polos altofalantes: Agora todas sentadas, agora todas coas mãos arriba, coma os gorilas ho ho ho ho… som uma rumbeiraaa… rumbeiraaa… rumbeiraaa…

Mais, brincadeiras à parte, sinto muita raiva quando, na presunta imprensa antisistema do dia seguinte e nas mal chamadas Redes Sociais, nom paro de ler parabéns por assistir tanta gente ao protesto, “milheiros enchem o Obradoiro”, “mobilizaçom cheia de força e cor”, quando, baixo umha olhada crítica de qualqueira que, coma mim, assistimos tanto a esta manifa coma a que houvera no ano passado por estas mesmas datas, a realidade amossa que este ano houvo bastantes menos assistentes que na do ano anterior quando ainda sofriamos as absurdas restrinçons de movimentos de massas.

Sinto-me sozinho nas críticas mas, isso sim, nunca estarei disposto a mentir para aplaudir tam tristes procissons e para que as passeantes aplaudam e ponham coraçons ou polegares cara arriba nas minhas mentirosas crónicas das redes sociais.

O Obradoiro nom estava cheio nem pola mitade!! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s