Arquivo da categoria: As minhas vizinhas

Criminaliza que algo fica!! Reflexom sobre a manipulaçom mediática do despeje do CSOA Escárnio

Terça feria, martes, 29 de junho, 8 menos 10 da manhã.- Caminho do meu curro passam-me, ao ritmo de luzes e sons, duas furgonas da polícia nacional, por momentos lembro que hoje estava previsto um protesto de taxistas e continuo meu rutinário caminhar. Ao chegar á altura da Algália de riba observo na distância qual era o destino das furgonas policiais; a minha primeira reaçom foi de estranheça diante da evidência, mesmo pensei, iluso de mim, que os polícias que estavam despregándo-se polo tramo da rua onde está ubicado o CSOA Escárnio e Maldizer estavam a umha outra coisa; havia um motivo que me levara a crêr isso, eu escuitara mais de umha vez que havia um pacto verbal coa imobiliária no que as okupas comprometerám-se a facilitar o acesso para ser vissitado por possíveis compradores (feito que chegou acontecer, se bem nom sei em quantas ocasons) e em troques a imobiliária comprometia-se a avissar de antemão quando iam a despejar. Um acordo bem raro e para mim insólito e que saiba inédito na história da okupaçom pero que, sem dúvida, resultava cómodo; mas que agora, á vista dos acontecementos, só pode qualificar-se como um burdo engano por parte da imobiliária que deixa ás terroríficas okupas da kaleborroka mediática mas bem como ingênuas ovelhas caminho do matadoiro (e nom me estou a referir ao Centro Social de Compostela Aberta)

Entanto rematava de percorrer a Algália, mirando pa’trás vim que já estavam formados dois cordons policiais para trancar o trânsito peonil e no meio um fotografo coa sua objetiva apontando ao objetivo jurídico-policial. Marchei apurando o passo porque já ia com retrasso e quando cheguei ao curro mirei na rede que já estavam concorrendo gentes solidárias a protestar por tal abuso de autoridade e menosprezo ás formas de convivência. Por certo, nem rastro da polícia local, o feito de que a alcaldia nom fosse avissada impediu sua presência para facilitar a tarefa de cortar o trânsito como seria sua obriga legal.
Continuar lendo

NOM ao DESPEJO do CSO ESCÁRNIO e MALDIZER!! Carregas brutais e 2 pessoas detidas e postas em liberdade. CONCENTRAÇOM as 20:00′ na Porta do Caminho

Índa que algumha da informaçom oferecida poida que nom seja de tudo correto (espero que se tal alguém me corrija) dado que nom me atopo no olho do furacám da notícia; ainda que nunca farei como em “El Borrego” que desmintem que houvera 2 pessoas detidas durante a operaçom policial; claro está só oferecem a versom das fontes policiais; dado que,,como som tam bos jornalistos, nom se lhes ocorreu achegar-se as gentes que se concentravam contra o despejo para saber sua opiniom e mesmo desmontar e desmentir a versom policial de que nom houvera detidas.

Hoje, as 8 da manhá, com aleivosia e certa ilegalidade (nom havia ninguém na okupa a quem apresentar a pertinente ordem de despejo), um feixe de polícias espanhois e até quatro furgonas de antidistúrbios cortavam polas duas frentes o 1º tramo de rua Algalia de riba que vai desde a praça do Pam, e proibiam o acesso de viandantes por diante de onde está ubicado o CSO Escárnio e ato seguido entravam pola força nesse espaço. Pese que ao parescer dias atrás já se receberam notícias dum vindouro despejo ninguém esperava que se produzira de tal guisa.

Em pouco tempo correu a voz de alerta e lá se personaram um grupinho de 15 pessoas para saber que se passava e a que obedecia tal posse pola força dum espaço que estava a ter umha vida cultural e social alternativa ao Capital que representam as instituçons públicas e privativas. A resposta da polícia foi como acostumam a ser estas coisas: porraços a destra e sinistra e umha pessoa detida sem mais contemplaçons, porque petou-lhes, porque os moi machotes polícias podiam demonstrar assim seu poderio armado.
Continuar lendo

Novo blogue do CSO “A Insumisa” -Dum recinto militar abandoado a um espaço de açom polo comum-

As compas envolvidas neste projeto feito realidade no coraçom da vizinha “A Corunha”, venhem de fazer público este seu novo blogue onde dim que “está tudo mais ordenadinho para quem quere estar ó tanto do que acontece no C.S.O. A Insumisa”. Eu alédo-me de tal iniciativa onde podes conhecer as atividades que se estám a realizar e mais as vindouras, como formar parte do projeto e amosam os espaços definidos; eu engado este blogue a minha listagem de Ligaçons e vos convido a vissita-la. Além vos colo acá a sua Bem-vinda á vizinhança: Continuar lendo

Convocatórias na Defessa da nossa Língua!!: Sábado 13 “Festa do dezassete” e Quarta 17 “Rancho Folclórico na Mani-festa-ação”

Co galho da celebraçom desta Jornada reivindicativa, vos colo acá as atividades previstas em Compostela (cos seus respetivos cartazes) que eu considero de interés e as acompanho com este “parassimpático meme”, presumível ganhador do concurso da Gentalha e autoria dum meu bo amigo, quem se apresentou com o alcume “Doutor Ghoffmän”:

  • Já está aqui a afamada “Festa do 17… que se fai o 13!”.
    Sob a legenda “O único monocultivo, a língua” a festa que organizam na “Gentalha do Pichel” deste ano gira arredor dumha analogia que pom em relaçom a situaçom do nosso País a nível ambiental e a que experimenta a nível linguístico. 5 dias de actividades diversas e para todos os gostos que já começaram e da que tendes toda a informaçom na sua web. Tamém ao final desta entrada tendes o cartaz que tirarom.

Campanha de recaudaçom fiscal da Marea Atlántica em A Corunha: Multa de 1500€ a um “manteiro”

Recolho (e traduzo) do meu portal amigo, A Irmandade da Costa, a sua genial e retranqueira crónica sobre este fatal sucesso ocorrido numha cidade onde dim que governam umha dessas candidaturas que prometiam muda-las coisas para “as de abaixo” e que se diziam defensoras das migrantes e pessoas sem recursos:

Multa de 1500€ a um manteiro por vender para-águas e sombreiros sem licência municipal.

O governo “revolucionário” da Marea Atlántica di que a atuaçom policial é legal e por tanto tenhem que assumir a proposta de sançom dos seus polícias, pero que “levam tempo trabalhando nesta questom” e esperam poder anunciar “câmbios e milhoras em breve”.

Há que reconhecer que ás vezes nos passamos com as presas, há que dar-lhes tempo para arranjar as coisas, só levam 633 dias de governo. Nesse tempo é impossível mudar algo tam complejo como o deixar de toca-los colhons aos pobres imigrantes.

Lembro manifestaçons a favor dos manteiros ás que acodiam alguns dos agora mareantes, nas que berravamos: “eu sim quero negros na rua”. O que nom sabíamos é que eles queriam aos negros na rua para sanear as arcas municipais.
Continuar lendo

“A irmandade da costa” – Nova ferramenta subversiva, contrainformativa e anarquista

Nasceu este grupo contrainformativo anarquista nestes dias de abril quando dim que rebentam as mais bélidas flores e que, segundo contam el@s mesm@s na definiçom da sua web airmandadedacosta.info, as autodenominad@s @s irm@s da costa, tem vocaçom de servir de “ferramenta subversiva para os movementos sociais corunheses e para toda a insurgência galega. Um maço para golpear consciências, para fazer tremer o estabelecido, para romper submissons e desbancar autoridades. Umha pinga de cáustico veleno no cóquetel dos que mandam, um delicioso aroma de cicuta na sopa informativa do poder. Umha sanguinária almorreira terrorista no cu de quem nos governam, já se digam fachas ou progres, “do câmbio” ou do “nom levo solto”. Um chisco de poesia gamberra e impertinente no monótono zumbido do telejornal, um ex abrupto ateu sobre a folha paroquial da “livre informaçom””.

Além apontam que Continuar lendo

Compostela Nom Se Vende!! O Hospital Velho de Galeras ao Serviço de Todas!! Manifesto

Venho de saber que as gentes organizadas na Plataforma de luita vizinhal contra a especulaçom do velho hospital de Galeras vem de colar, na sua página dumha das chamadas redes sociais virtuais, um seu Manifesto-Comunicado no que fai um chamado a toda a cidadania compostelá a participar da mesma para, juntas, plantar-lhe cara aos intereses especulativos e privados no nosso património, para defendermos umha Compostela ao serviço de todas.

Mas denantes de dar-lhe pulo quiger fazer umha reflexom persoal ao respeito dumha das pessoas que, segundo contou-me umha boa amiga bem informada, está metida a tope em dita Plataforma e nom é outra que Encarna Otero Cépeda, diretora geral de Obras Públicas e da Calidade da Vivenda da Junta quando o bipartito (PSOE-BNG) e vicealcaide e concelheira do BNG nos tempos em que Bugallo (PSOE) foi alcaide de Compos. Pois bem, na altura em que dita persoeira estivera nos “co-mandos” do concelho tivera entre suas atribuçons ser a delegada da rehabilitaçom do casco histórico de Compostela, e baixo seu mandato tivera lugar o despeje e destruiçom posterior da Casa Encantada, umha das primeiras okupas da Galiza, ubicada na rua Castrom D’ouro, e pese a que esta vivenda estava catalogada como histórica, Encarna e sua equipa decidiram nom considera-la como tal e a derrubaram justo quando a Casa Encantada estava em pleno furor de luita a raiz do afundimento do Prestige. Encarna Otero se passou assim a ser a arqui-inimiga da luita vizinhal por manter este espaço. Muito coidadinho com ela!! Ficades avissadas!!

[MANIFESTO]
Continuar lendo