Arquivo da categoria: criaçom literária

Dia 16 ás 18 hs Xornada LUMPEM RAPPER no CSA do Sar (Compostela) em solidariedade encausadas Escárnio

Colo a informaçom (mantendo a normativa) desta moi animada convocatória que me remitirom desde o coletivo organizador do evento, o Hip Hop Ateneu de Compostela.
O vindeiro sábado 16 de decembro o colectivo Hip Hop Ateneu organiza unha Xornada Lumpen Rapper solidaria coas persoas encausadas no proceso represivo contra o CSO Escárnio e Maldizer.
Continuar lendo

Anúncios

“Happiness” a nova cortametragem animada de Steve Cutts que fai furor na rede

Em maio passado dava pulo nesta minha bitácora á genialidade de Steve Cutts, ilustrador e animador inglês e sua obra “Man”, entrada que intitulei “Escravos da Tecnologia” e que adicava em especial a aquelas pessoas que, abducidas pola tecnologia, nom vêm mais lá dos dois palmos de distância que separa seu olhos do seu telemóvil.

Agora colo acá sua nova obra “Happiness” que, publicado nos canais de vídeo na rede há 5 dias, já supera com creces mais de 1 milhom de vissualizaçons:


Um filme que, em algo mais de 4 minutos, sumariza habilmente os males da nossa sociedade de consumo e do trabalho assalariado: Uma cortametragem encarnada na história da busca implacável dum roedor (humanizado) da sua suposta felicidade e plenitude. Um filme que deveria dar para pensar.
Continuar lendo

A Tartaruga e o Castelo – Conto adicado ao “Coletas”

Gosto de escrever breves relatos que abandono em libretas; ás vezes, co passo do tempo, volto olhar algumha de-las e descubro que o que escrevera na altura sem pensar em ninguém em concreto, semelhara estar escrito pensando nalguém de agora, mesmo de alguém de quem denantes nom sabia nem que existira. Isso passou-me a finais de janeiro de 2016 -poucos dias antes de decidir abrir esta bitácora e quando inda formava parte da equipa redatora de “Abordaxe”– quando, tras reler este conto, se me foi a personagem do neno Asier ao paralelismo cara ao mentideiro Pablo Iglesias (quando já nada podia surpreender-me deste indivíduo com muitas ínfulas de poder) e publicara o conto no blogue de Abordaxe. Agora, co galho de recopilar meus escritos neste blogue- volto cola-lo acá desta volta adíco-lho ao “Coletas” desde o meu mais sinceiro nojo e co galho da sua injerência em Podem e da sua manifesta falha de equidistância que já é marca da “Casa Morada”:

A tartaruga e o castelo

– Jogamos coa areia?
– Fagamos umha tartaruga
– Nom, melhor uns castelos, a ver quem o fai mais fermoso
– Nom, fagamos umha tartaruga entre os dois, nom gosto de competir
– Vale, entre os dois, pero fagamos um castelo
– Nom, fagamos umha tartaruga, os castelos som símbolos de guerra e eu nom gosto da guerra
– Bah, pero hoje nom há guerras e os castelos som monumentos artísticos
– Sim há guerras e meu pai morreu há pouco numha
– Carafio!! Está bem, fagamos umha tartaruga. Eu gosto muito das tartarugas

Um intre depois aparece um adulto em cena, vai espido polo areia com apariência hippie ano 68 caminhando cara os meninhos e dirigindo-se ao neno pacifista di-lhe:
– Asier, filho, qué bonita tartaruga figéstedes, anda érgue-te que já marchamos

Asier érgue-se
– Deica logo. Imos Papá!!

Asier sempre fai quanto quere. Continuar lendo

#HumorAmenazado – Humoristas Gráficos pola Derogaçom da Lei Mordaça e a prol da liberdade de expressom

Recolho (e traduzido) da web “El Mundo de Gila” este Manifesto que já foi assinado por mais de 120 artistas e subindo; um documento em pdf com muitos desenhos (eu para acompanhar este texto escolhim só 3 de-les) de várias das artistas assinantes ao que tendes acesso em castelám nesta ligaçom,

Humoristas Gráficos e as abaixo assinantes pomos de manifesto que nestes momentos o Humor está ameaçado em Espanha.

Como já indicava o ator Juan Diego Botto no seu artigo “Delito de ficción”, publicado no digital eldiario.es: “Uma ficção só deve ser julgada desde um ponto de vista estético, cultural, moral, ideológico ou inclusive político mas nunca penal.”

Recém assistimos ao inesperado despedimento dos vinhetistas Ferran Martín e Eneko Las Heras que se somam aos que têm ido sofrendo outros desenhistas como Romeu, Ventura, Farruqo, JR Mora, Altuna, Alfons López, Orué, Atxe ou P8ladas, entre outros. O desenhista Cels Piñol sofreu a censura de uma de suas conferências em Bulgária. A tudo isto se unem as denúncias contra as revistas El Jueves e Mongolia. Outros colegas do grémio reconhecem receber impropérios de carácter pessoal por seu trabalho.
Continuar lendo

5ª feira, joves 19 ás 20 hs no CSA do Sar: Apresentaçom da ediçom galega do livro “Requiem por unha viaxe sen retorno” de Nikos Romanós

Recebo na minha caixa de correios esta convocatória de “algunhas Individualidades Anarquistas” que seguem na brecha do projeto informativo anarquista galego “Abordaxe”. De feito tudo o recaudado irá destinado a financiar seu novo projeto editorial Abordaxe.org que já está ativo na rede e onde ficam a disponibilidade de quem quiger vários artigos, resenhas e mais as diversas publicaçons que se foram editando em torno a “Abordaxe” (revistas, boletins e mais material) e que segundo o que apontam na sua web som “froito da necessidade de confrontar e gerar ideias e debates-chave numha realidade na que naufragamos presas da democraticidade e o mercado das opinions, e da intençom de investigar e recuperar a memória respeito das luitas contra a dominaçom e dos tecidos comunitários e autogeridos que ligarom Galiza e outros territórios do mundo durante longo tempo”; e dentre suas prioridades está sua intençom de plasmar esta tarefa a través das suas publicaçons que editam “para fornecer estas luitas no presente, e por suposto, visibiliza-las”. Tudo elo encaminhado a reformular o projeto Abordaxe como editorial, mantendo tamém a revista, que é onde milhor e com mais sanha destripam o cadáver desta sociedade autoritária e onde mais alegremente passam pola quilha os princípios que a sustentam.
Continuar lendo

5ª feira, joves, 5.- PALESTRA de Gabriel Pombo no CSA do Sar: “A Loita Anarquista Dentro e Fora das Prisións”

Por fim imos contar coa presência de Gabriel Pombo da Silva em Compostela e no CSA do SAR. Depois do falhido intento de traze-lo junto a sua compa Elisa di Bernardo numha Jornada Antiautoritária polo Guerra Social que ia ter lugar em sábado 10 de junho (quando fazia um ano da sua saida de prisom) e que tivo que ser suspensa porque a gente envolvida no despejo do CSOA Escárnio e Maldizer, sem ter para nada em conta dita moi interesante convocatória, nom tiveram milhor ocorrência que convocar para esse mesmo dia e horas (quando já estava convocada dita Jornada e como se no almanaque e no relojo nom houvera outros dias e horas) a sua fatal convocatória de manifa com destino final em comissaria ou nos julgados (bom o protesto rematou coa falhida toma do Peleteiro) e um bo feixe de multas.

E assim, no vindouro joves 5 de Outubro ás 20.00 horas, Gabriel Pombo da Silva estará com nós no CSA do SAR para falar sobre a nova ediçom ampliada (inclue umha série de escritos selecionados especialmente polo própio Gabriel) do seu livro “Diario e Ideario de un delincuente… y otros textos” numha palestra organizada de maneira conjunta por Mërda Distro & Castrexo Punx e o CSA do Sar.

Colo acá o publicado na rede sobre esta convocatória e animo desde acá a assistir á palestra deste compa anarquista que sofreu a repressom mais dura nas suas carnes durante várias décadas nos cárceres do Estado espanhol e da Alemanha:
Continuar lendo

Ardora (s)ediçons anarquistas – Nova editorial galega – Apresentaçom do nº1 da sua revista em papel

Ardora é essa fosforescência do mar que encandila e fascina a quantas a observam. Eu tivem a sorte de presencia-la várias vezes e esse nome trae-me evocaçons muito agradáveis que vivim e gocei com diferentes pessoas importantes da minha vida; desde jogos submarinos e mergulhos noturnos com aleivosia até mesmo duvidosos avistamentos triposos de golfinhos luminescentes.

As compas envolvidas neste novo projeto optam por esta palavra marinheira que vem a sumar-se a este prolífico mar informativo do anarquismo galego nom organizado. Entre as páginas deste seu 1º número, suas editoras ofertaram-me publicar o meu texto (já feito público acá) “Nom som Bosques que som Cultivos. As plantaçons de Eucaliptos e Pinheiros som um perigoso combustível”, ao que acedim e além tamém ofertárom-me publicar nos seguintes números da sua revista, polo que aproveito esta entrada na minha bitácora para agradecer-lhes tal convite.

Vos colo acá a sua Editorial e convído-vos a vissitar sua, recém aberta, página web onde tendes mais e milhor informaçom
Continuar lendo