Arquivo da categoria: lumes

O PP segue coa sua teima de inculpar a quem menos culpa têm: Miguel e Maria Luisa novos bodes expiatórios

Quando o desastre do Prestige, a 13 de novembro de 2002, as culpas e a implacável justiça recairom em seu capitán, Apostolos Mangouras e contra dele dirigirom todas suas miras nossos governantes do PP e sobre ele canalizarom a impartiçom da justiça. Quando a terrível morte (assassinato?) de 81 pessoas e as feridas de outras 144 que iam do trem Alvia caminho de Compostela em 24 de julho de 2013, as miradas dirigirom-se só a Francisco José Garzón, único maquinista do trem e único imputado por delitos de homicídio imprudente, segue á espera de juízo, pese que nemhuma das associaçons de vítimas do Alvia o considera responsável e ele mesmo, pese ter pedido perdom inúmeras vezes, está convencido de que seu lapsus nunca pudo conlevar tal fatal acidente. Agora com esta vaga de lumes que se originaram por negligência e total falha de prevençom das incopententes que governam Galiza e as espanhas todas, e que causaram a morte de 4 pessoas, os seus olhares acusatórios e sues dedos implacáveis querem fazer recair as culpas em Miguel (vizinho de Os Blancos e Vigo) e mais Maria Luisa (vizinha da paroquia de Petelos em Mos); autoras de lumes de 2 e 3 hectares respeitivamente, só 5 hs das 35.500 totais que se queimaram nessa finde.

Á margem de toda investigaçom judicial ficaram os grandes culpáveis que obrigaram maniobrar o Prestige empurrándo-lo ao desastre e mais quem nom instalou medidas protetoras nas vias nem realizara analise de riscos denantes de lançar trens a tam altas velocidades e tudo aponta a que ninguém assumirá que os lumes poderiam ter-se previsto e tomar medidas preventivas em troques de despedir brigadistas e abrir a tempada de caça. Além, tal como ocorreu por entom, agora estám a botar balons fora e lançar mentiras polos seus falsimédios. E nom só!! muitos deles e muitas delas foram premiadas e ascendidas nos seus postos da escala de mando pepeira, de feito todas as pessoas que, na altura do Prestige, eram membros do Governo espanhol, salvo Jaume Matas (e por causas totalmente alheias ao Prestige) sairam moi bem paradas:
Continuar lendo

Anúncios

[Portugal] Há 28 anos um povo luitou contra os eucaliptos. E a terra nunca mais ardeu

«A única maneira de travar os incêndios em Portugal é reduzir o eucaliptal e substituí-lo pela floresta autóctone», diz o ambientalista Serafim Riem.

Nestes dias de certo que, agás as surdas, todas as galegas escutamos que se bem na Galiza sopram maus ventos com isto dos incêndios, muito pior estám nossas vizinhas portuguesas, que por nom ter, nem sequer contam com equipas profissionais para combater os lumes e só tenhem equipas de voluntárias que nom cobram um peso por apaga-los.

Nom é certa tal apreciaçom, dado que Portugal (com uma extensom de 92.256 km²), conta com, segundo dados de 2013, 42.592 bombeiros voluntários e 6.363 profissionais; em tanto no Estado espanhol (com 504.030 km²) segundo aporta o sindicato pactista UGT, o seitor da extinçom de incêndios ocupa 25.000 operárias no vrão e menos da mitade no resto do ano. Com o que o rátio bombeiro profissional por km² é bastante maior no Portugal (aprox 0’07 bombeiros por km²) que na Espanha (aprox 0’05) e isso sem ter na conta os 42.592 bombeiros voluntários!!
Continuar lendo

Onde estám os terroristas incendiários de Feijoo? A filha do único detido denúncia que seu pai foi torturado pola Garda Civil

“Pido ás galegas que ajudem meu pai e que nom se deixem enganar”

Com este cabeçalho intitulava ontem Galicia Confidencial o artigo assinado por Alberto Quian no que dá voz á Sara Martínez, filha de Miguel Ángel Martínez Novoa, até hoje único detido depois da última vaga de lumes que asolou Galiza queimando mais de 35.500 hectáreas.

Miguel foi membro fundador do Movemento Ecologista da Límia (MEL) nos primeiros anos 90 e nestes momentos, como trabalhador dos julgados de Vigo, tem assessorado em numerosas ocasions sobre a incipiente normativa ambiental; além é poeta comprometido coa defessa da natureza. Assim o testemunham umha vintena de grupos ecologistas que tirarom um seu Comunicado conjunto no que dim que nom acreditamos que Miguel seja um delinquente, e menos ainda um perigo potencial para ter que priva-lo de liberdade” e que “todo indica que estamos ante um episódio de lume nom intencionado e rematam io Comunicado sinalando que: “em todo caso, foi um incêndio que ele mesmo ajudou apagar e a limitar o seu alcance até ficar em testemunhal. E cómpre considerar que se trata dumha pessoa que pola sua vontade e iniciativa cívica acudiu por duas vezes ao quartel da Garda Civil. Agardamos que em justiza nom se convirta a Miguel num chivo expiatório desta catástrofe ecológica, para desviar a atençom criminalizando ao movemento ecologista e assim eximir das suas responsabilidades a quem tem as competências sobre as políticas forestais, agrárias e de gestom do território.
Continuar lendo

Bolas de lume!! Assim é como avançam os incêndios e jurdem novos focos.

Já tenho tocado nalgum outro artigo o efeito das pinhas voadoras e da casca do eucalipto ardendo. Como espécies pirófitas (gostam do lume) que som, entra dentro dos seus cometidos na luita por um lugar na natureza, expander-se polo território aproveitándo-se dos incêndios e de ai que, segundo expertos na matéria, possuam tais pinhas e cáscaras para servir-se delas para expander os lumes. Soa um tanto a ciência ficçom por aquilo que estamos afeitas a ver ás árvores como seres inánimados e sem sentimentos e por suposto incapaces de fazer tais maldades (nessa dicotomia de bos e maus na que as humanas gostamos de qualificar comportamentos naturais e instintivos do resto dos animais, vegetais, fungos, protistas e mais das moneras). Pero é-che o que há!!

Estes dias nas imagens que nos serviram as televisons e mesmo nos vídeos que gravou a gente e publicou na rede, poidemos olhar e escuitar como várias vizinhas afetadas polos lumes falavam de grandes bolas de fume que vinham polo ceu a cair perto delas quando o monte que ardia estava ainda a muitos metros de distância. Imensas bolas de fume que passavam por riba das suas cabeças e assim que caiam eram origem dum novo foco.

Isto que, unido ás condiçons imelhoráveis para sua rápida propragaçom, mesmo poderia explicar esses misteirosos focos que jurdiam case ao mesmo tempo por diferentes zonas dum mesmo incêndio. Pero nossos governantes e governantinhos prefirem inhora-lo e apurarom-se a falar desses focos coincidentes como umha monstra infalível do carater delituoso de todos os lumes na sua teima em buscar grupos terroristas organizados para matar (que nom digo eu que nom existam tais, pero se é que existem é muito mais provável que sejam mercenários do Capital moi bem pagados e nom umha associaçom da paisanagem pirómana que atua cordinada em comandita).
Continuar lendo

Opinions muito interessantes sobre os lumes – “Se buscam culpáveis que se mirem num espelho”

“O lume do ladrom arde por debaixo e por enriba, nom”. refraneiro popular galego

Colo acá as ligaçons a 3 artigos que, ao meu entender, ajudam a calibrar a magnitude da tragédia que sofremos na Galiza e mesmo no Portugal e alguma coisinha mais falando de lumes:

– Sobre incendios Forestais – assinado por “Un dos do lume”; e que recolhim da minha página amiga A Irmandade da Costa, do que vos colo seu início: “Eu son brigadista da empresa SEAGA na provincia da Coruña. Este fatídico fin de semana acababamos de ser recontratados (*) para o dispositivo antiincendios, ainda así ninguén nos chamou para actuar. Gustaríame facer unhas pequenas reflexións soltas sobre esa e outras cuestións relativas á vaga de lumes”.

– Miguel Ucles, as verdades dun bombeiro que estivo nos peores lumes: “Menten descaradamente”; entrevista assinada por Xurxo Salgado no jornal digital Galicia Confidencial . Colo acá a entrada na matéria: É o presidente da Plataforma de Bombeiros Públicos de Galicia. Estivo todo o domingo dun lado cara a outro no sur de Pontevedra para tentar facer fronte ás lapas nos peores incendios, os de situación 2. Viviu tensión, terror, medo, indefensión… pero sobre todo, moita solidariedade. A de centos de veciños que saíron a axudalos cando máis o precisaban. Sobre a coordinación, os medios e os efectivos dos que fala a Xunta é contundente: “Menten descaradamente”. E sabe do que fala. Estivo loitando contra os lumes durante 24 horas.

– El cártel del fuego (I e II) uma reportagem da ctxt assinada em Lisboa por Daniel Toledo; publicado em duas partes (é extenso e íntenso e recomendo a quem coma mim costa-nos lêr textos longos na pantalha, que os cópie e cole num documento de texto e imprima) em 12 e 27 de setembro. Está em castelám e fala da existência duma investigaçom judicial que revela que existe uma máfia empresarial que tem conseguido 250 milhons de euros públicos amanhando concursos de extinçom de lues com médios aéreos ligada a políticos com cárregos públicos que derivaria umha parte importante dos fundos destinados a prevençom de incêndios vam parar, de maneira fraudulenta, a empresas de extinçom com um passado legal mais que duvidoso.
Continuar lendo

ORGULHO DE POVO, VERGONHA DE GOVERNO!

Quando ontem baixava polas ruas caminho da praça compostelá do Toural dirigindo meus passos á convocatória do protesto pola nefasta politica forestal do governinho galego e a vaga de incêndios que assolam Galiza ano tras ano; veu-me a mente a imensa quantidade de imagens nas que se vê a gente do povo luitando contra enormes lapas em situaçom de grave risco; lembrou-me a atitude da gente do mar quando chegaram as primeiras ondanadas de chapapote do Prestige ás nossas rias; quando chorando de ráiba e á desesperada quitavam do mar, valéndo-se so das suas mãos enguantadas, grandes quantidades do mortal veleno entanto que nossos governantes tentavam manipular a realidade fazendo declaraçons escándalosas:

“Probablemente el fuel no toque la costa gallega (Arsenio Fernández de Mesa, na altura Delegado do Governo espanhol na Galiza baixo mandato de Aznar. Depois seria premiado co cargo de diretor geral da Garda Civil quando assassinaram 15 pessoas na praia ceutí de Tarajal e agasalhado deste ano com umha porta giratória coma conselheiro de Red Eléctrica​)
“Ya ha pasado el peligro más grave” (Manuel Fraga. Presidente do governinho galego)
“Las playas están limpias y esplendorosas y el marisco está allí extraordinário” (Federico Trillo-Figueroa y Martínez-Conde, quem depois berraria Viva Honduras estando em El Salvador, seria responsável do acidente do Yakolev e remataria sua “tourné” sendo embaixador em London sem ter nem papa de inglês )

E dentre todas recordava como especial aquelas declaraçons de Mariano Rajoy, daquelas vicepresidente e portavoz do Ejecutivo espanhol e ministro da Presidência que foi o encarregado de assumir a cordinaçom da gestom da crise: “Salen unos pequeños hilitos, los que se han visto, hay en concreto cuatro regueros que se han solidificado con aspectos de plastilina en estiramiento vertical”

E assim caminhando rua abaixo e á medida que ia sumándo-me a um regueiro de gentes veu-me á mente, nom sei se por inspiraçom ou porque já o tinha escuitado nalgum outro momento da minha vida, a cantinela, a consigna, que colguei como cabeçalho desta entrada e que crio que refleja moi bem o sentimento da gente galega diante deste nova catástrofe ecológica que nos assola e que nos enraiva como povo contra das nossas patéticas governantes:  ORGULHO DE POVO, VERGONHA DE GOVERNO!
Continuar lendo