Arquivo da categoria: repressom

Programa Comochoconto -A ablaçom ou mutilaçom genital feminina (MGF)

Hoje 6 de fevereiro é um desses dias nos que, organismos internacionais, decidem adicar-lho a algum tema polémico mundial do que falar só nesse concreto dia nos falsimédios para depois volver garda-lo no baul dos maus recordos até o seguinte ano na mesma data. Eu nom acostumo fazer seguimento de tais comemoraçons por entender que, estes lavados de cara, som um gesto mais da hipocrisia geralizada no mundo do Capital e do Consumismo dos paises que se autodenominam “civilizados” ou “desenvolvidos”. Assim hoje nos informativos matinais da TVE davam conta desta “efemeride”, cuja denúncia, por estes lares, tem certo pouso “xenófobo” ao assinalar esta bárbarie contra o corpo das meninhas como próprio de certas religions e culturas alheias a estes lares e coa mesma negam que no estado espanhol se poidam estar realizando estas brutais práticas sob o rotundo argumento de que é delito!! Como se isso bastara!… Tamém é delito roubar e nom há político com alto cárrego que nom enchira seus petos durante seu mandato co dinheiro de todas. Além indicam que nestes lares a preocupaçom é impedir que as meninhas sejam levadas aos paises de origem de seus progenitores para que se lhes practique lá tal “barbárie” e denunciam que é dificil de evitar porque há familias que deixam lá suas filhas uma vez que lhes praticam a mutilaçom… É dizer culpabilizam as famílias e seus paises de origem e assim seguem criminalizando as emigrantes e permíte-lhes, uma vez cumprido o trámite de falar um dia sobre elo e depois seguir olhando de esguelha esta problemática até o vindouro ano.

ablacion

Quando publiquei uma entrada nesta bitácora na que expressava a minha confussom e surpresa diante dalgumas das aportaçons que estava a receber a campanha #PrimAcoso, recebim um comentário no que se me respostava com estas palavras: “Tamén nalgunhas culturas cortan o clítoris por tradición e estética. O problema é cando a persoa chora de dolor e non quere”. Nom sei que lhe motivou a esta pessoa a enviar-me esse comentário; mas retrotraeu-me a quando no ano 2007 emitira um programa na Kalimera sobre este tema da MGF (depois remitido em outras ocasions) e mantivera um debate com um home que pretendia que a MGF era comparável e basicamente igual que a circuncisom masculina, á que este home tildava de mutilaçom.

Colo acá agora este programa para quem queira ouvir a minha opiniom ao respeito:


Continuar lendo

Anúncios

[Tarajal, Ceuta] 5º cabodano do assassinato impune de 15 migrantes a mãos da Garda Civil (vídeos)

Republico este artigo que vira a luz há um ano no 4º aniversário deste assassinato e que, por suposto, segue impune.

Dizer que tudo isto acontecera baixo o governo de Rajoy e o PP mas nada mudou coa chegada de Schez e a suposta esquerda ao governo espanhol com respeito á chegada de gentes vindas doutros lugares em busca duma vida milhor que a que suportavam nos seus lugares de saida e fuga. Miles de homes, mulheres e crianças provintes de paises empobrecidos durante séculos polas máfias de escravas, polas guerras de interés das colónias imperialistas europeias e norteamericanas e polo expólio orquestrado mesmo desde organismos internacionais para repartir-se de jeito descarado as riquezas naturais desses lugares. Só lembrar que quando Schez chegara ao governo soltara um seu oportuno discurso ao respeito do direito irrenunciável a salvar vidas no Mediterráneo por riba de tudo e recebera, em contra da opiniom do resto de governantes europeus, ao navio ‘Aquarius’ com honores e concedera aos migrantes que viajavam nele os papeis necessários. Mas só fora um gesto cara a galeria… Pura hipocrasia!! Pouco tempo depois, o mesminho governo de Schz, proibia atracar ao ‘Nuestra Señora del Loreto’, um barco espanhol que levava mais duma semana á deriva em pleno inverno e com temporal com doze migrantes recolhidos do Mediterráneo porque nenhum governo europeu se dignava a dar-lhe permiso de atraque. Em janeiro deste ano já se esquecera Schz daquilo do direito irrenunciável a salvar vidas e a ONG Proactiva denunciava que as autoridades espanholas impediam ao barco ‘Open Arms’ zarpar cara ao Mediterráneo central tras proibir-lhe sair do porto de Barcelona, onde está atracado e retido em consonância coa política migratória do resto de Europa.

“Nom entendo como uma história tam importante como esta, uma história que nos afeta tanto, pode ser tam desprezada” Hervé, sobrevivente do Tarajal

Tal dia coma ontem há 5 anos acontecera um dos momentos mais sinificativos da política migratória espanhola (e europeia) quando eram assassinados a tiros de balas de borracha, cartuchos de fogueo, botes de fume e paus, 15 das pessoas que tentaram cruzar a nado desde Marrocos até a colónia espanhola de Ceuta pola praia do Tarajal. Um tema que ja tratei no seu dia nos blogues de Abordaxe fazendo referência a quem na altura dos assassinatos era o diretor e responsável político da Guardia Civil, e como tal negara com rotundidade os feitos, o “camisa azul ferrolá” Cuco Fdez de Mesa aquele que se figera pintar um quadro onde luze uniforme militar cheio de medalhas para figurar no Panteom de assassinos com lustres da Benemérita e mais ao ministro hipócrita do ramo, o “opusino” Jorge Fdez Díaz, a quem vistas as evidências nom lhe ficou outra que admitir dias depois o uso de armas contra as migrantes pero só co galho de “disuadir-lhes” (1, 2, 3, e 4).

Continuar lendo

“Como enfrontar o caso de “La Manada” desde um transfeminismo antipunitivista” x C.A.M.P.A.

Recolho, traduzo e cópio do seu blogue:

Desde o Colectivo de Apoio a Mulheres Presas em Aragón (C.A.M.P.A.) queremos fazer uma reflexom a propósito da sentença do juízo a “La Manada”:

Desde nossa perspectiva antipunitivista esperavamos com certo medo o resultado da sentença, que fosse uma condena de mais de 20 anos e, esta, fóra aplaudida desde o movemento feminista e desde a sociedade em geral. Temiamos tamém que, como sucedeu há apenas umas semanas, se reabrira o debate sobre a prisom permanente −ainda que esta só poida imponher-se em assassinatos onde haja alguma circunstância específica agravante− num momento de especial enfado e frustraçom.

Nós definímo-nos como transfeministas e abolicionistas do cárcere, do sistema penal e penitenciário. Isto léva-nos ás vezes a gerir debates e repensar as contradiçons que agromam.

Quando conheces de perto o cárcere, es consciente de que serve única e exclusivamente para castigar, tanto á pessoa condenada como as suas familiares e amizades. O armaçom penal só gera mais violência. Nada nos fai crêr que tras um, nove ou cinquenta anos de prisom estes homes nom vaiam volver violar uma outra mulher com igual ou mais violência coa que já o figeram.

Continuar lendo

[Grécia] Áudios revelam estreito vínculo entre Amencer Dourado e as Cúpulas Policiais

Na Grécia da SYRIZA como na Espanha de Rajoy

Por momentos estivem por colar tal sugestivo encabeçamento nesta entrada para fazer ver a similitude entre o que se passa por estes lares e o que se vêm de destapar no lento juízo (*1) contra 69 membros de Amencer Dourado na Grécia da SYRYZA, essa Coaligaçom que viste do eufemista título de “Esquerda Radical” e na que PODEMOS pugera em miras para copiar tal trunfadora ideia eleitoralista.

Recolho esta informaçom (e traduzo) de KaosenlaRed, o artigo assinado por Revolución Real Ya e mais do artigo “Amanecer Dorado: la noche que lo cambió todo” autoria de Leonidas Oikonomakis no jornal El Salto

Uma série de chamadas telefónicas e intercâmbios de mensagens de texto, apresentados no juízo, revelarom uma vez mais os laços e a cordinaçom entre partidárias de Amencer Dourado e membros da polícia, incluidas as unidades antiterroristas e antidistúrbios.

Continuar lendo

[Vídeo] Caso Altsasu: A prova definitória da montagem da Garda Civil

Por se alguém ainda nom tinha claro como se orquestrou a montagem contra os moços e a moça judicializados como terroristas por uma simples lea de bar; vos colo acá este vídeo correspondente á 6ª jornada deste juízo onde um agente da Garda Civil afirma que quando foram a deter a Adur, um dos acusados nada menos que de terrorismo, nom poideram faze-lo porque “no se dejó detener” pese a estar na casa!!.

É dizer, como aponta um tertuliano: NOM É CRÍVEL!! eu estou com ele mas que cada quem tome suas próprias conclusons:

Eu sego a têr moi clara a intervençom de quem, na altura, era o máximo responsável político da Garda Civil e pioneiro no de falsificar seu curriculum: Continuar lendo

Solidariedade coa Greve de Fame dxs Presxs – Amanhã 3 de maio envio de faxes e Rádio-Relato de “Títeres desde Abajo”

Este gajeiro já anunciara no seu dia que em tal data histórica coma a de ontem do 1º de maio, ia começar uma GREVE de FAME COLETIVA nas PRISONS para fazer vissível sua LUITA pola sua DIGNIDADE á que “os meios de desinformaçom nom darám cobertura” e sobre a qual solicitavam ajuda para que sua voz ressoe “afora” dos muros. Agora já começada solicitam o envio de faxes amanhã 3 de maio no seu apoio.
Nessa onda, Alfonso, membro de “Títeres desde Abajo”(*) publicou esta “Historia de un títere” um seu rádio-relato, escrito e locutado por ele mesmo que agardam que goste: Continuar lendo

Sobresseído o caso do insubmisso a Audiência Nazional, o jornalista alternativo Rubén Ollo “Olazti”

Em 13 de março publicava nesta minha bitácora a detençom deste moço indundarra “Olatzi”, colaborador dos médios alternativos La Haine Ahotsa.info, , tras declarar-se insubmisso a Audiência Nacional que pretendia julgar-lhe polos presuntos delitos de “enaltecemento do terrorismo” e “humilhaçom ás vítimas” por comentários nas redes sociais. Algo mais de um mês antes tamém dera conta da sua decissom de declarar-se insubmisso a justiça espanhola ao considerar com moi bo critério que “a Audiência Nazi-onal é um tribunal franquista e de excepçom para com meu povo e nom tem legitimidade para atuar como órgano jurídico nem comigo nem com nenhum pessoa de Euskal Herria, nem tampouco com nenhuma das pessoas dos diferentes povos aos que o reino de Espanha oprime.

A Fiscalia da Audiência Nacional vêm de estimar que as mensagens que Rubén Ollo publicara numa rede social entre 2012 e 2016 nom som constitutivos de delito de enaltecimento do terrorismo porque “nom propiciam ou alentam, inda que seja de maneira indireita, uma situaçom de risco para as pessoas ou direitos de terceiros ou para o próprio sistema de liberdades”.
Continuar lendo