Arquivo da categoria: Sin categoría

AS FALCONETTIS ESPAÑOLAS e MUITO ESPAÑOLAS.

Acá pousam as 4 Podemitas desfrutando das suas derradeiras feiras estando no governo. Foram render pleitesia ao seu amo:

Sabem que nunca mais vam governar nada e tenhem que tirar proveito dos lujos do Poder até onde Poidam.

E isto acontece justo quando os enqueritos assinalam que boa parte da povoaçom renúncia este ano a seus gastos extras de feiras por causa da inflaçom; e que o reino d’España está à cabeça da UE em quanto à desigualdade no reparto da riqueza

Na seguinte imagem, podedes entender o porquê estas Podemitas sorrim no selfie com um fundo, onde se reflite a imagem icónica do Capitalismo, o New York das amplas avenidas e arranha-céus.

Mas nom rim à cámara, estám-se a rir de todas nós !!

——————–
Falconetti.- Dize-se das pessoas perversas. Palavra que vem duma série de TV, “Rich Man, Poor Man” (Homem Rico, Homem Pobre), onde Falconetti representava ao mais vil de todos os maus.

MADO, OTAN um acordo de merda!! ORGULHO em Madrid ??

Modificar as datas duma reivindicaçom e festa histórica para facilitar uma Cimeira da OTAN…

NUNCA, NUNCA deveria levar o epíteto de ORGULHO!!

É uma sumbissom ao Poder económico e militar !!

E uma perda total do sentido da protesta, das reivindicaçons e da festa. 

Da outra banda, meus parabéns às participantes do ORGULHO CRÍTICO que sairam de novo às ruas, quanto tinha que ser e tal coma tem que ser, pois tal coma elas mesmas contam: “As ruas som nosso espaço de encontro, reivindicaçom, festa e protesta e este ano, ponhendo o foco na @regularizacionya porque estamos fartas deste Sistema racista e cishetero que exclue, persegue, tortura, encerra e deporta”.

Imos queimar as fronteiras, os CIEs e as prisons!

Que tudo arda!

Sem papeis nom há ORGULHO!


As diferências entre o que se entende por ORGULHO som acada vez mais saiantáveis, tal qual o refliteram “As Críticas” no seu MANIFESTO:

Schez, Begoña e Mohamed… Vaia trio pátrio!!

O Schez nom duvidou nem por um segundo em qualificar a atuaçom das forças repressivas marroquinas na fronteira com Melilla coma excelente e conforme a direito.

Apôs, alguém deveu de advertir-lhe de que esse conto dos refugiados armados com paus, navalhas e ácidos atacando a coiteladas a homes fortemente armados com ametralhadoras e outras armas antidistúrbios, era uma patranha.

Entom, tempo depois, tratou de desculpar-se dizendo que quando declarara isso ainda nom vira as imagens do acontecido.

AÍNDA NOM VIRA AS IMAGENS DO ACONTECIDO !!!

Diante estas suas declaraçons, é quanto menos muito curioso que Schez dera por boas as explicaçons marroquinas da intervençom dos seus corpos respressivos sem ter que ver o acontecido. Ainda que sempre é o habitual, dar por boas as declaraçons das forças armadas e/ou repressivas sem contrastar nada. De feito na legislaçom española, figura claro que as declaraçons num juízo dum destes elementos coma testemunha duns feitos, sempre tem qualidade de veracidade, mesmo que seja pura invençom ou falsidade.

Nom tanto resulta evidente que acada dia Schez amossa-se mais disposto a aplaudir sem olhar tudo quanto fai o governo marroquino, tanto seja nas suas fronteiras do norte, assassinando impune dúzias de pessoas que fugem da fome e das guerras, ou bem assassinando saarauis e roubando-lhes as suas terras nas suas fronteiras do sul.

Visto o visto, cabe perguntar-se se terám algo que ver estas atuaçons pro-marroquinas do governo español mais progre coas notícias que saltaram na impresa europeia que relacionam a sua mulher, Begoña Gómez, com NEPOTISMO e CORRUPÇOM nos seus negócios em Marrocos, que sairam refletidos na Operación Pegasus, essa das espionagens de teléfones a personagens da elite política??

Unidas Podemos, Más País-Equo, Compromís, E.R.C, PSOE a favor de CASTIGAR com PRISOM os FURTOS associados à pobreza

«Uno puede tener la sensación de que las personas que cometen estos hurtos los detienen hoy y salen mañana a la calle, y continúan con esta actividad casi como ‘modus vivendi’» Genís Boadella, responsável por assuntos de Justiça do PDeCAT.

Votaram a favor junto com VOX, que solicitara tal reforma com anterioridade e o PdeCAT, que foi quem apresentara a enmienda que deu lugar a uma disposiçom final do artigo 234 do Código Penal para que os furtos por valor subtraído inferior a 400 euros, que até agora só se castigavam com multas, poidam ser sentenciados com penas de prisom de 6 a 18 meses, sempre que a culpada já fosse condenada dantes ao menos por três delitos desta natureza, ainda que fossem de carácter leve. No caso de multireincidência, as penas poderám oscilar entre 1 e 3 anos de cárcere.

O Pleno do Congresso aprovou esta reforma na passada quinta-feira, 23 de junho, e remeteu-se ao Senado para completar sua tramitaçom e poderá estar em vigor à volta do verão.

A iniciativa do PdeCAT buscava cumprimentar uma exigência das Grandes Patronais do Comércio e da Restauraçom, para -presuntamente e segundo a letra da emenda- procurar atalhar às «bandas organizadas» que furtam alimentos em grandes superfícies, já seja para consumo próprio ou para seu revenda. Uma situaçom que está associada ao incremento da pobreza.

Foi aprovada com o apoio e o voto de 190 diputados do PSOE, Unidas Podemos, Esquerra, PNV, PDeCAT, Ciudadanos, Más País-Equo e Compromís, entroutros.

Curiosamente VOX se abstiveram junto à CUP, Bildu e o PP.

Só o BNG votou na contra, algo que lhes honra.

Desde o PDeCAT recordam que esta modificaçom fora prometida por vários ministros de Justiça e do Interior desde fai anos, já que «tiene un alto impacto en el sector del comercio, la restauración, el turismo y en la seguridad de todos los ciudadanos». A seu juízo, este câmbio permitirá «aumentar a capacidad intimidatoria e disuasoria del Código Penal» e «dotará a las administraciones de más herramientas para luchar contra la multirreincidencia en pequeños hurtos».

E é assim coma o GOVERNO MAIS PROGRE da História das Españas, pom-se da mão de especuladores e escravistas coma Amancio Ortega e sua filha, Juan Roig e outras e vai encarcerar a quem furte para comer.

Isto acontece ao mesmo tempo que a inflaçom no estado español supera níveis históricos. Tam só neste mês de junho o IPC (índice de preços de consumo) se situa em torno do 7’2%, a maior cifra de inflaçom nos últimos 36 anos. Esta cifra, que vai subindo desde a pandemia, leva a que o PIB encontra-se em níveis precrisis de 2008, num momento em que Espanha está à cabeça de Europa em quanto aos níveis de desigualdade económica.

É evidente que esta medida punitiva procura a criminalizaçom da pobreza e das classes populares, que ante tempos de necessidade e ante uma pobreza crescente pode recorrer a medidas desesperadas. Os pequenos furtos estám provocados polo empobrecimiento geralizado da povoaçom.

Para os grandes empresários, o furto supom umas pequenas perdas, ínfimas em comparaçom aos seus ganhos graças a especular com os preços de produtos básicos. Algo que golpeia a umas classes populares a cada vez mais empobrecidas.

Capitalistas e seus sicários representantes no Congresso español, nom só nos cuspem seu desprezo de classe, senom que mesmo ameaçam com maiores castigos e repressom para solventar um problema que eles mesmos têm gerado.

Os excessivos costes engadidos das presuntas “Energias Limpas” x Denet Lewis

Denet Lewis é um engenheiro ianquie adicado às novas tecnologias e que se autodeclara um apaixonado por liderar e inspirar equipes dinâmicas que buscam expandir os limites da Tecnologia da Informaçom; é dizer nom é anarquista e nem tam sequer antisistema, mas colo acá porque considero as suas palavras um alegato para abrir mentes obtusas que se crem tudo quanto lhes contem nos mentideiros sobre as falsas energias limpas e verdes. Traduço e colo este seu artigo publicado na rede Linkedin sobre a falácia das energias verdes e limpas coma os Veículos Elétricos ou os Muinhos de Vento

O QUE É UMA BATERIA? Acho que Tesla definira isso melhor quando a denominara coma Sistema de Armazenamento de Energia. Isto é importante.

Baterias não produzem eletricidade – elas armazenam eletricidade produzida em outros lugares, principalmente por carvão, urânio, gas natural ou petróleo. Portanto, dizer que um Veículo Elétrico (V.E.) é um veículo de emissom zero não é tal.

A fórmula de Einstein, E = MC2, nos diz que é necessária a mesma quantidade de energia para mover um automóvel a gasolina de 2.500 kg por uma milha que um elétrico. A única questão a se prantejar é o que produz essa energia? e vou-me repetir, não vem da bateria; a bateria é apenas o dispositivo de armazenamento, como um tanque de gasolina num carro.

Existem dois tipos de baterias, recarregáveis ​​e de uso único.

  • As baterias de uso único mais comuns são A, AA, AAA, C, D. 9V e as de tipo lanterna. Estas “pilhas secas” usam zinco, manganês, lítio, óxido de prata ou zinco e carbono para armazenar eletricidade quimicamente. Observe que todos eles contêm metais pesados ​​tóxicos.
  • As baterias recarregáveis ​​diferem apenas em seus materiais internos, geralmente íons de lítio, óxido metálico de níquel e níquel-cádmio.

Os Estados Unidos usam três bilhões desses dois tipos de bateria por ano, e a maioria não é reciclada; acabam em aterros sanitários. Se você jogar suas baterias pequenas e usadas no lixo, aqui está o que acontece com elas:

Todas as baterias são auto-descarregáveis. Isso significa que, mesmo quando não estão em uso, eles vazam pequenas quantidades de energia. Você provavelmente arruinou uma ou duas lanternas de uma bateria velha e quebrada. Quando uma bateria acaba e não consegue mais alimentar um brinquedo ou uma luz, você pensa nela como morta; bem, não é. Continua a vazar pequenas quantidades de eletricidade. À medida que os produtos químicos dentro dela se esgotam, a pressão aumenta dentro da caixa de metal da bateria e, eventualmente, ela racha. Os metais deixados no interior, em seguida, escorrem para fora. O lodo em sua lanterna arruinada é tóxico, assim como o lodo que inevitavelmente vazará de todas as baterias em um aterro sanitário. Todas as baterias eventualmente se rompem; apenas leva mais tempo para as baterias recarregáveis ​​acabarem no aterro.

Além das baterias secas, também existem baterias de células úmidas usadas em automóveis, barcos e motocicletas. O bom disso é que noventa por cento deles são reciclados. Infelizmente, ainda não sabemos como reciclar corretamente os descartáveis.

Mas isto não é tudo. Para aquelas que estão entusiasmadas com carros elétricos e uma revolução verde, quero que olhem mais de perto as baterias e também os moinhos de vento e os painéis solares. Estas três tecnologias compartilham o que chamamos de custos incorporados ambientalmente destrutivos.

Tudo o que é fabricado tem dois custos associados, custos embutidos e custos operacionais.

Vou explicar os custos embutidos usando uma lata de feijoada coma exemplo:

Nesse cenário, feijões cozidos estão em promoção, então você entra no carro e vai ao supermercado. Com certeza, lá estão eles na prateleira por US $ 1,75 a lata. Ao se dirigir ao caixa, você começa a pensar nos custos embutidos na lata de feijoada.

O primeiro custo é o óleo diesel que o agricultor usava para arar o campo, lavrar a terra, colher os grãos e transportá-los para o processador de alimentos. Não só o seu combustível diesel é um custo embutido, mas também os custos para construir os tratores, colheitadeiras e caminhões. Além disso, o agricultor pode usar um fertilizante nitrogenado feito de gás natural.

Em seguida, estão os custos de energia para cozinhar a feijoada, aquecer o prédio, transportar os trabalhadores e pagar as grandes quantidades de eletricidade usadas para operar na fábrica. A lata de aço que contém os feijões também é um custo embutido. A fabricação da lata de aço requer a mineração de taconita, o transporte por barco, a extração do ferro, a colocação em um alto-forno a carvão e a adição de carbono. Depois volta em outro caminhão para levar o feijoada ao supermercado. Finalmente, adicione o custo da gasolina para o seu carro.

Uma bateria dum V.E. típica pesa 450 quilos, aproximadamente o tamanho de um baú de viagem. Ela contém 11 quilos de lítio, 27 quilos de níquel, 20 quilos de manganês, 13,5 quilos de cobalto, 90 quilos de cobre e 180 quilos de alumínio, aço e plástico. Dentro há mais de 6.000 células individuais de íons de lítio.

Deve preocupar você que todos esses componentes tóxicos vêm da mineração. Por exemplo, para fabricar cada bateria de automóvel V.E, você deve processar 11.340 quilogramas de salmoura para extrair o lítio, 13.600 de minério para o cobalto, 2.270 para o níquel e 11.340 para o cobre. Em conclusom, você desenterra 226.800 quilogramas da crosta terrestre por apenas 1 bateria para 1 carro elétrico.”

68% do cobalto do mundo, uma parte significativa duma bateria, vem do Congo. Suas minas não têm controle de poluição e empregam crianças que morrem ao manusear esse material tóxico. Devemos considerar essas crianças doentes como parte do custo de dirigir um carro elétrico?

Eu gostaria de deixar você com esses pensamentos.

A Califórnia está construindo a maior bateria do mundo perto de São Francisco, e eles pretendem alimentá-la a partir de painéis solares e moinhos de vento. Eles afirmam que isso é o máximo em ser ‘verde’, mas não é! Este projeto de construção está criando um desastre ambiental. Deixa-me dizer-te porquê.

O principal problema com os painéis solares são os produtos químicos necessários para processar o silicato no silício usado nos painéis. Para fazer silício suficientemente puro, é necessário processá-lo com ácido clorídrico, ácido sulfúrico, ácido nítrico, fluoreto de hidrogênio, tricloroetano e acetona. Além disso, eles também precisam de gálio, arseneto, cobre-índio-gálio-diseleneto e cádmio-telureto, que também são altamente tóxicos. O pó de silicone é um perigo para os trabalhadores e os painéis não podem ser reciclados.

Moinhos de vento são o máximo em custos embutidos e destruição ambiental. Cada um pesa 1.688 toneladas (o equivalente a 23 casas) e contém 1.300 toneladas de concreto, 295 toneladas de aço, 48 toneladas de ferro, 24 toneladas de fibra de vidro e as terras raras de neodímio, praseodímio e disprósio. Cada aspa pesa 37 quilos e dura de 15 a 20 anos, quando deve ser substituída. Não podemos reciclar aspas usadas.

Infelizmente, tanto os painéis solares quanto os moinhos de vento matam pássaros, morcegos, vida marinha e insetos migratórios.

Pode haver um lugar para essas tecnologias, mas você deve olhar além do mito das emissões zero. Eu prevejo que os V.E. e os moinhos de vento serão abandonados assim que os custos ambientais embutidos de fabricá-los e substituí-los se tornarem aparentes.

“Going Green”, “Energia Verde” pode soar como o ideal Utópico e são facilmente adotados, palavras cativantes, mas quando você olha para os custos ocultos e embutidos de forma realista com uma mente aberta, você pode ver que “Going Green” é mais destrutiva para o meio ambiente da Terra do que aparenta, com certeza.

Greta Thunberg e a hipocrasia do seu ecologismo culpabilizador

Falsimédios de toda caste deram publicidade as declaraçons desta meninha monstro no Festival de Glastonbury deste ano, um acontecemento com sona de ser o segundo maior festival de música a céu aberto do mundo, onde também há atraçons de dança, humor, teatro, circo, cabaré e outras formas de arte…

O festival deste ano foi celebrado coma sempre em Pilton, Reino Unido, nesta finde passada, entre os dias 22 e 26 de junho, e contou com apariçons estelares de alto interés mediático mas que pouco ou nada tenhem a ver com as ganhas de diversom e de festa das miles de assistentes a este Festival, tal qual o omnipresente e repelente Zelenski e mais a moça monstro Greta Thumberg, que foi soltar lá o seu discurso pretendidamente ecologista.

Lá foi recebida, entre vítores, aplausos, e mesmo algo de cachondeio e risas, polo público entusiasta de ver no cenário a uma cria que é famosa graças as campanhas orquestradas mediáticas dos falsimédios da parte enriquecida do mundo.

A verdade é que bem pouco dijo num discurso carente de força que alguém lhe escreveu; palavras ocas, pretensons vanas… desta moça que está empechicada em culpabilizar a todas por igual do deterioro do planeta, mas que nunca assinala ao Capitalismo coma causante.

Isso sim as suas palavras ocas tiverom tanto eco, como demonstra estas imagens do final do Festival, onde o lixo cobreu tudo o recinto:

Mirando estas imagens e outras resulta evidente que suas palavras cairom em saco roto e este se desparramou deitando toda a merda, tal qual se passa cada ano neste Festival.

ASSASSINATOS na Fronteira. Governo español PSOE-PODEMOS, CULPÁVEL !!

De primeiras quiger assinalar às culpáveis destes assassinatos: Vídeos e fotografias dam fe de coma gendarmes e integrantes das forças auxiliares marroquinas traspassaram o passo fronteiriço e entraram no território colonial espanhol de Melilha co permiso, e em total connivência, com os efetivos da Guardia Civil e a Polícia Nacional para reprimir violentamente a centos de pessoas que fugem das guerras e da fome e para assassinar sem escrúpulos a quanto menos 37 pessoas. Efetivos policiais do governo español PSOE-PODEMOS nom só nom figeram rem para evitar esta massacre, senom que deixaram fazer suas barbaridades a seus compas marroquinos.

«Os migrantes que conseguiram cruzar estavam rodeados pola Polícia e a Guardia Civil, que lhes empurravam com carregas para o lado marroquino. Alguns conseguiram zafar-se e correr para dentro de Melilha», descreveu o fotojornalista Javier Bernardo, quem presenciou os feitos. «Surpreendeu-me quando comecei a ver os cascos verdes das forças marroquinas no lado espanhol do valado. Os agentes espanhóis estavam em problemas, tinha muita gente num lugar muito estreito. Surpreendeu-me ver a polícias marroquinos em solo espanhol detendo, agredindo e devolvendo aos migrantes. É a primeira vez que o vejo nos quatro anos que levo trabalhando em Melilha», engadira.

O presidente do Governo PSOE-PODEMOS, Pedro Sánchez, assegurou por partida dupla seu respaldo a esta atuaçom das forças marroquinas e qualificou coma “assalto organizado e violento” os anelos de milhor vida das migrantes retidas à força polos valados instalados nas colónias africanas españolas de Ceuta e Melilha. E reconheceu que se “trabalhou coordenadamente com as forças e corpos do Estado para repeler esse assalto”.

Podemitas que se alporizaram quando os assassinatos do Tarajal (sob governo do PP), tratam agora de escorrer o bolto e tirar culpas a seu sócio de governo, tal qual venhem fazendo de cara à galeria acada vez que discrepam com o PSOE.

E SE QUEREM FAZER OPÒSIÇOM … QUE ABANDONEM SEUS MINISTÉRIOS E VICEPRESIDÊNCIAS E, SENOM FAM TAL, É PORQUE SOM HIPÓCRITAS AMARRADAS ÀS CADEIRAS DA CORRUPÇOM.

Para aquelas que seguides votando e confiando em que Podemitas som diferentes, e se tens um pouco de verguenza, vos recomendo olhar a seguinte imagem e pararos a mirar os mortos um a um, pensade em que eram pessoas que tratavam de viver e pretender que as deixaram ir a onde seja, sem valados nem fronteiras que lhe impedam mover-se. Provade a pôr-lhes nome e a imaginar que as conhecestedes e mesmo que as queriades… e se, depois deste exercício de empatia, ainda tens vontade de seguir votando a Podemitas e defendendo sua permanência num governo cumplice destes assassinatos, deveriades fazer-vo-lo olhar.

E YO,YO,YOLANDA nom di rem sobre a dimissom forçosa da OLTRA.

Com seu silêncio fai evidente que quem tem cu, tem medo.

E nom vaia a ser que algum dos falsimedios que lhe estam a fazer a cama na campamha orquestrada para nomea-la lideresa da esquerda, tire luz daqueles seus tratos de amizade com um outro PEDERASTA até dizer basta: Ramiro Santalices, o seu amigo a quem por duas vezes nomeara coma seu assessor pessoal, primeiro na vice-alcaldia ferrolá e após no paralamentinho galego.

Mais informaçom nesta bitácora:

Autoanémicas Andaluzas. A abstençom ganha por muito. E arrassa nas zonas empobrecidas (atualizado)

Na 2ª feira publiquei a minha típica entrada post eleiçons destacando a abstençom coma primeira opçom escolhida polas andaluzas, com uma porcentagem real muito por riba de todas as demais alternativas. Hoje, tras revisar os dados e comprovar que uma vez mais desaparece das contas e dos contos a enorme abstençom das eleitoras residentes no estrangeiro, é que decidim refazer esta entrada e atualizar os dados.

Além, umas outras analises fam inciso nas diferências nas participaçons segundo o nivel económico das residentes e destacam o feito de que nas mesas eleitorais das zonas mais empobrecidas da barriada sevilhana do Polígono Sur -o núcleo com a renta mais baixa de toda España- o índice de abstençom superou o 90%. Como contraste sinificativo, nas mesas do acomodado distrito de Nervión a participaçom foi consideravelmente maior, com índices dentre o 59 e o 73%, e com um incremento do 4% com respeito às anteriores.

Uns dados que racham coa costume de todos os falsimédios, e mesmo dalguns que se autotitulam de alternativos, que no dia seguinte de cada jornada eleitoral, qualificam a abstençom coma uma costume muito aleatória das pessoas que, estando no censo, nom vam votar por deixadez, por preferir estar na praia, porque chove ou porque fai sol.

Nenhuma tertuliá, nenhuma dessas presuntas espertas em política partidista que enchem os platós televisivos ou que ocupam folhas nas colunas de opiniom dos jornais dám valor algum ao feito de que, desde anos há, as abstencionistas do estado español ganhem (ganhemos) todas e cada uma das eleiçons em jogo e acada vez com diferências mais enormes com respeito à candidatura mais votada.

No caso das autoanémicas andaluzas, a abstençom sinifica que mais de 2 MILHONS, NOVECENTAS MIL andaluzas com direito a voto, passaram de tudo. A abstençom foi a opçom MAIORITÁRIA e superou ao PP em MAIS de 1 MILHOM, 3 CENTAS MIL pessoas. De feito a abstençom obtivo caseque os mesmos apoios que as 3 forças com mais votantes, PP, PSOE e VOX, que juntos sumam 102 dos 109 escanos que vam constituir o novo ParaLamento andaluz .

Esta gráfica é o resultado real e porcentual de dados obtidos segundo o censo que venho de construir dos dados oficiais publicados:

Uma grave consequência de ignorar a opçom maioritária é que durante os vindouros 4 anos, o PP vai governar com mão dura e maioria parlamentar, tras acadar só o voto e a confiança de menos de 1 de acada 4 andaluzas com direito a voto.

Realmente é algo ParaLamentar.

Os perigos do Plástico; um conto de nunca acabar.

Era um fumador impenitente e quando começara a tossir esputos sanguinolentos acudira com urgência ao seu médico.

Este fijo-lhe uma analise de sangue e outras muitas provas para detetar qualquer síntoma perigoso para a saude de seu paciente.

O resultado fora fulminante: O paciente tinha um cancro num pulmom e sua metastase estava a expandir-se por doquier e de imediato juntou-se uma equipa médica para decidir que fazer.

As suas concluson foram dizer-lhe ao paciente que deveria tentar fumar algo menos e derom-lhe uma nova cita para o 2030 para ver se o conseguira deixar.

Isto, mais ou menos, é o que se passa acada vez que o grupo de governantes moinantes dos chamados países do primeiro mundo junta-se para tratar o perigo do PLÁSTICO nos Oceános e Mares e na Terra.