Quarta feira, mércores, 5 de outubro ás 09:00′ – Concentraçom diante dos Julgados de Fontinhas em solidariedade coas 12 detidas na Sala Iago – Crónica e Programa da rádio Kalimera sobre os feitos

img-20161002-wa0014 A cidade de Compostela acordava na manhã do venres 18 de novembro de 2011 com umha nova que nom deixaria indiferente a ninguém: a emblemática Sala Iago, com mais de 50 anos de funcionamento acolhendo numerosas obras de teatro, cine e diversos actos culturais, -e em estado de abandono desde fazia 4 anos- fora okupada por um grupo de pessoas.

Tras pendurar faixas okupas das balconadas, apresentáva-se a pé da rua do edifício o alcaide Conde Roa para enfurecer-se públicamente por vez primeira, se bem só recebera como resposta apupos do respetável. Essa mesma tarde desenvolvéra-se a primeira assembleia do espaço, á que assistiram entre 80 e 100 pessoas, na que se acordava tirar dos médios alternativos para difundir as novas relacionadas, fazer um calendário de permanências noturnas e programar um fim de semana cheio de actividades: projeçons, circo, monicreques, debates sobre auto-organizaçom e açom direita, concertos, jantares, palestras…, todas elas com grande aceptaçom de público.

14441190_695807217234099_1071196407753524374_n A sala seguiria funcionando a tope o luns e o martes, ficando aberta a todo o mundo que quiger participar das actividades e assembleias; e assim, durante o tempo de durou a okupaçom, achegaram-se á Sala moreas de habitantes da cidade de todo tipo e condiçom: anciás nostálgicas da sala, crianças que a viam por primeira vez, ativistas de todo o espectro radical e cultural, curiosas turistas atraidas pola gram expectaçom que levantavam estes feitos na rua ou vizinhança da zona velha que felicitavam ás ocupantes pelo espaço recém recuperado e desfrutavam coas atividades.

Mas ás 11 da manhã do mércores 23 a sala Iago era despejada por um nutridíssimo grupo de GOES, antidistúrbios, polícias á paisana e demais ralea, que retiveram durante mais de 3 horas ás 11 pessoas que estavam dentro nesse momento entanto buscavam provas incriminatórias contra delas, para depois leva-las detidas sob acusaçom de posse e fabricaçom de artefactos explosivos (!!!???) pois no minucioso registro policial atoparam objetos tam perigosos como os que poida ter qualquer pessoa na sua despensa: papel de alumínio, lixívia e outros produtos de limpeza, além dos perigosíssimos extintores da própia sala. A essas 11 pessoas haveria que sumar umha outra na causa que, nom estando presente no momento da irrupçom policial, foi incluida no sumário. As detidas seriam libertadas, pendentes de juízo e com cargos de usurpaçom, essa mesma tarde em torno ás 17h sendo recebedas por duzias de solidárias.

12-da-yagoOs protestos pelo despejo foram numerosos, na mesma noite do mesmo dúzias de pessoas aos berros unánimes de “a rua é nossa e nom de Conde Roa”, “lume!” ou “desalojos som distúrbios” avançaram polas ruas da cidade sendo rodeadas dum desmesurado despregue policial, digno dum dia da pátria ou dumha vissita papal; com cargas brutais policiais que foram respostadas com barricadas incendiárias e escaches de vidros de numerosos bancos e outras entidades capitalistas; atos que, ao dia seguinte, seriam catalogados pola imprensa canalha como de guerrilha urbana; se bem, e pola contra, o comportamento da polícia foi merecedor dum relatório de Esculca diante das suas preocupantes irregularidades: a) manifesto excesso no uso da força, nom substentado nem na necessidade nem na proporcionalidade; exceso que se repetiu em diversos momentos posteriores ao despeje, espalhándo-se, com ocasiom da manifestaçom da tarde, por múltiplos lugares da cidade; b) innecessário e desproporcionado uso da força policial fronte a jornalistas e fotógrafos, afeitando ilegítimamente o seu direito á informaçom; c) falha de cumprimento da normativa interna das FCSE no referente á identificaçom vissível do número professional dos agentes; d) tratamento dos cidadáns presentes com falha de respeito, chegando a negar-se a atender perguntas em língua galega.

Meses depois, em 20 de fevereiro de 2012, acudiam aos julgados as doze pessoas encausadas para a vista prévia junto ao juiz instructor do caso, Jose A. Vázquez Taín, quem apareceu só por uns minutos com um sumário abultado que mesmo mereceu um seu comentário ao respeito de que “nom para de medrar” e pouco mais que veu dizer que as doze enfrontam-se a umha petiçom da fiscalia de carregos por usurpaçom e, “caga-te lorito” por “tenência de material explosivo!!”. Dizer que as doze encausadas remetiram-se ao seu direito a nom declarar até o juízo e em poucos minutos abandonaram os julgados.

xerarmalrollo Agora estas 12 pessoas vam-se enfrontar a um juízo que tem todos os visos de ser injusto de raiz, porque foi o azar quem levou-nas a estar nesta situaçom; se a polícia, em troques de entrar na manhá do dia 23, figera-no na do 24 ou na do 22, seriam outras 12, ou 13, ou …, as pessoas que estiveram encausadas. Tu mesmo quiçás ou qualquer das duzias de pessoas que se passaram pola sala Iago e participaram da sua posta em marcha e de dar vida durante apenas 5 dias a um espaço cultural que hoje segue valeiro e em perigo de derrumbe pese ás falsas promesas de Conde Roa, o alcaide na altura.

Dias depois, em 29 de novembro, este que escreve, realizava um programa especial com o titulo de “O Pistoleiro Conde Roa Vs Okupas da Sala Iago” na rádio Kalimera, com o meu relato dos feitos acaecidos arredor da okupaçom da Sala Iago, ( com textos própios e recolhidos da rede, quando nom fusilados) comentários sobre as declaraçons aos falsimédios do alcaide Conde Roa e do concelherio de Cultura Ángel Currás, e umha pequena Biografia das saídas mais saientáveis de Conde Roa, num programa especial de 98 minutos que podedes descargar acá (para sua posterior escuita) ou escuitar acolá:

Por tudo isto e mais eu estarei na quarta 5 de outubro ás 09:00′ na Concentraçom diante dos Julgados de Fontinhas em solidariedade coas 12 detidas na Sala Iago.

Todxs a Compostela!
Porque eu tamém estivem na Sala Iago!

…………….

Crónica redactada segundo as notícias publicadas no velho blogue da revista anarquista Abordaxe (1, 2, 3 e 4

Anúncios

3 ideias sobre “Quarta feira, mércores, 5 de outubro ás 09:00′ – Concentraçom diante dos Julgados de Fontinhas em solidariedade coas 12 detidas na Sala Iago – Crónica e Programa da rádio Kalimera sobre os feitos

  1. Pingback: [Compostela] Máis sobre o xuizo pola ocupación da Yago | abordaxe

  2. Pingback: “Eu tamém estivem na Sala Iago” – Campanha Solidária diante do juíço ás 12 encausadas previsto para o día 13 de março | ogajeironagavea

  3. Pingback: “Eu tamém estivem na Sala Iago” – Campanha Solidária diante do juíço ás 12 encausadas previsto para o día 13 de março | abordaxe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s