Arquivo mensal: maio 2017

Diante o despejo do CSO Escárnio: “Compostela Aberta, sem escusas para a violência”

Ante os feitos ocorridos na jornada deste martes relacionados co despejo do Centro Social de Escárnio e Maldizer na Algália, O Gajeiro na Gávea manifesta o seu profundo rejeitamento ante todo tipo de justificaçom da violência policial assim como os inadmissíveis comunicados do grupo municipal do alcaide urbano e falsimedios locais. É intolerável que umha manifestaçom em apoio da defensa de espaços sociais e culturais seja aproveitada pola polícia nazional para empregar umha força descomunal carregando de tal jeito contra manifestantes -nas que, além de encarapuçadas, havia tamém criançinhas e pessoas maiores- que mesmo semelhara que iam postos de algumha droga psicótica até as celhas, (até chegar ao ponto de abrir-lhe a cabeça a um moço ao espanca-lo violentamente e depois introduzi-lo á força e inconsciente numha furgona policial para léva-lo e encirra-lo numha cela). Cómpre umha reflexom de todas as pessoas que fomos violentadas porque este tipo de comunicados(*) só valem para alimentar o discurso dos governos e governinhos e das suas forças repressivas.
Só com botar um olho o mais objetivo possível as imagens dos vídeos (de ContraInfo e Sermos) que recolhem os momentos em que a polícia empreende com brutalidade as primeiras carrégas, qualquer póde-se percatar de quem motivou as cenas posteirores que tanto gostam de criticar as “ímbeciles e escuras” da nossa cidade. Como dim as compas de Illa Bufarda: “Onte foi un día triste na península, a ignorancia tapiou as portas do CSOA Escarnio e maldizer. Un espazo liberado en Compostela no que bulían as aprendizaxes, a colectividade, as risas, as raibas e un longo etcétera que dende onte está pechado e preparado únicamente para a especulación” ou como bem explica minha amiga Flor Teclas diante da foto da fachada tapiada do Escárnio: “Isto é o que fam os de arriba. Inçar muros e que nom entrem vozes. Que nom saia a livre ideologia. Que ninguém viva”
Continuar lendo

Anúncios

Depois do arquivo do Pandora 2 agora a Audiência Nazional determina o arquivo provisório do Pandora 1

Como se dumha sucessom de desprópositos em cadea se tratara, a Audiência Nazional democrática espanhola (legítima herdeira do Tribunal da Ordem Pública franquista), vem de assinar o auto de arquivo deste caso, se bem índa é possível que a Fiscalia recorra tal decissom, polo que nom se pode falar de arquivo definitivo.

Em 16 de dezembro de 2014 os Mossos d’Esquadra detiveram 11 pessoas nas cidades de Barcelona e Manresa, além de realizar 14 registros em vivendas, casas okupadas e ateneos libertários. A consequência de tal despregue político-judicial-policial, 7 das detidas se passaram um mês no cárcere e houvera que abonar uns 3000 € de fiança para que poideram sair. Além e desde o momento da sua posta em liberdade provisória todas essas compas sofreram medidas cautelares durante mais de 2 anos.

Depois do arquivo de ambas operaçons Pandora 1 e Pandora 2, índa ficam judicializadas as compas do chamado caso Pinhata, das que várias compas seguem com a sua decisom de desobedecer a Audiência Nazional e já levam 2 meses sem acodir aos julgados a assinar.
Continuar lendo

NOM ao DESPEJO do CSO ESCÁRNIO e MALDIZER!! Carregas brutais e 2 pessoas detidas e postas em liberdade. CONCENTRAÇOM as 20:00′ na Porta do Caminho

Índa que algumha da informaçom oferecida poida que nom seja de tudo correto (espero que se tal alguém me corrija) dado que nom me atopo no olho do furacám da notícia; ainda que nunca farei como em “El Borrego” que desmintem que houvera 2 pessoas detidas durante a operaçom policial; claro está só oferecem a versom das fontes policiais; dado que,,como som tam bos jornalistos, nom se lhes ocorreu achegar-se as gentes que se concentravam contra o despejo para saber sua opiniom e mesmo desmontar e desmentir a versom policial de que nom houvera detidas.

Hoje, as 8 da manhá, com aleivosia e certa ilegalidade (nom havia ninguém na okupa a quem apresentar a pertinente ordem de despejo), um feixe de polícias espanhois e até quatro furgonas de antidistúrbios cortavam polas duas frentes o 1º tramo de rua Algalia de riba que vai desde a praça do Pam, e proibiam o acesso de viandantes por diante de onde está ubicado o CSO Escárnio e ato seguido entravam pola força nesse espaço. Pese que ao parescer dias atrás já se receberam notícias dum vindouro despejo ninguém esperava que se produzira de tal guisa.

Em pouco tempo correu a voz de alerta e lá se personaram um grupinho de 15 pessoas para saber que se passava e a que obedecia tal posse pola força dum espaço que estava a ter umha vida cultural e social alternativa ao Capital que representam as instituçons públicas e privativas. A resposta da polícia foi como acostumam a ser estas coisas: porraços a destra e sinistra e umha pessoa detida sem mais contemplaçons, porque petou-lhes, porque os moi machotes polícias podiam demonstrar assim seu poderio armado.
Continuar lendo

Chamado a sumar-se a petiçom a Kichi, alcaide de Cái, para que tamém conceda a medalha de ouro da cidade ao “Monstro Espaguete Voador”

Desde minha humilde bitácora fago este chamado ás minhas vissitantes ocasionais para que se sumam á maravilhosa, equitativa e feliz ideia das “pastafaris” quem, por iniciativa de Félix Zacarías García Omella venhem de colgar (há 18 horas) na plataforma Change.org tal solicitude dirigida ao Excel-Lentíssimo Haja-Untamento de Cái; documento do que vos colo sua argumentaçom para tirar-vos de dúvidas e animar-vos a sumar-vos a tam justa e democrática petiçom que, á hora de publicar isto, vai já polas 1820 sinaturas e subindo (entanto eu traduzia e escrevia isto assinarom mais de 300 pessoas); além por se acaso nom tendes razons abondo para sequndar tal, vos animo a lêr o texto “Religión, religiosidad y combate simbólico” assinado por Acratosaurio rex em AlasBarricadas:
As pastafaris solicitamos ao alcaide de Cái Kichi conceda a medalha de ouro da cidade ao nosso grande Monstro Espaguete Voador.
Continuar lendo

De Memórias Históricas x A Irmandade da Costa

Alguém tinha que volver a dize-lo e desta volta falam -e falam bem- as minhas compas envolvidas na web “A Irmandade da Costa”, quem desmontam falsas verdades e tiram a dar contra as pantasiosas histórias irreais -ou de fiçom- sobre a falsária e suposta natureza revolucionária dos governos da II República espanhola; e fam-no a raiz das mediáticas pintadas fascistas nuns paneis que colocou o governo do concelho de A Corunha sobre a Memória Histérica, perdom histórica, do movimento operário nesta cidade durante essa II República.
Continuar lendo

“Guiom para banda desenhada, se quadra…” Meu aporte á Revista Abordaxe nº6. Já nas ruas!!!!:

As minhas compas de Abordaxe! já figerom público no seu blogue (acá) a saida ás ruas do último número da revista em formato papel, o nº 6!!, na sua entrada tendes acesso ao texto editorial e mais ao índice dos contidos e os modos de fazer-se com um ejemplar (com os pontos de distribuiçom gratuita) e mesmo umha sua ligaçom para poder lê-lo ou imprimi-lo em formato pdf. Desde acá vos convido a vissitar seu blogue para saber mais, da revista e do que quiger. Mas tamém fago público acá, agora que já está editado e publicado, o meu aporte para este número:

Guiom para banda desenhada, se quadra…

Día: 6 de janeiro de 2048 (Ano100000000000 no calendário binário )
Hora do vermut
Lugar: Compostela (pode ser adaptado para qualquer outra cidade do mundo)

Cena 1 a representar em vários quadrinhos segundo avança a conversa (os pitidos do telemóveis podem dar o passo dum a outro):

Mesa baixa bar Medusa, um home e umha mulher conversam sentadas em torno a uns copos médio cheios (ou médio vazios), cada quem tem nas suas mãos os seus telefones móveis última geraçom (nota para desenhadora: umha delas, a tua eleiçom, tem o tegrado configurado para pessoas esquerdeiras) e a carom de cada quem há umha especie de casco de moto com patas, as suas roupas nom difirem muito das que usam agora a gente “guapa” porque léva-se a moda retro do ano 2015: Nos planos dos sucessivos quadrinhos da sequência pode haver distintos enfoques; nalgum vem-se umhas mãos mecánicas sobre a barra, desde dentro, em atitude de preparar um coquetel.  Nom se vê nenhuma outra pessoa humana no local.

 Diálogo:
Continuar lendo

Podemitas e Confluentes Nom Som Diferentes !! Duas mostras para conferir.

Diversas notícias no mundo da política local e persoal fam-me ver que seguimos tendo razons abondo para desconfiar destes profissonais da política que semelha jurdiram numhas práticas de laboratório universitário. Assim entanto falsimédios dum e doutro pau seguem falando da moçom de censura apresentada por Podemos para tumbar a Rajoy no governo das espanhas; há notícias paralelas (e para lelos tamém) que amosam que nom há diferências substanciais entre populistas dumha e outra caste. Poderia ter-me mergulhado na busca de mais notícias impactantes ou tirar rédito da jornada de celebraçom da polícia local que estám argalhando para manhám sábado 27 as mareantes corunhentas na praça de Maria Pita, mas confórmo-me com deitar o cartaz tam fantástico que tirarom (com este nom vam ter problemas com viuvas). Assim que escolhim ao pronto e sem ter que buscar entre ringleiras atopei de imediato este par de cabeçalhos desta mesma semana:
Continuar lendo